Mercado abrirá em 33 mins
  • BOVESPA

    117.560,83
    +363,01 (+0,31%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.326,68
    +480,85 (+1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    89,86
    +1,41 (+1,59%)
     
  • OURO

    1.717,50
    -3,30 (-0,19%)
     
  • BTC-USD

    20.005,17
    -212,07 (-1,05%)
     
  • CMC Crypto 200

    454,86
    -8,26 (-1,78%)
     
  • S&P500

    3.744,52
    -38,76 (-1,02%)
     
  • DOW JONES

    29.926,94
    -346,93 (-1,15%)
     
  • FTSE

    7.009,29
    +12,02 (+0,17%)
     
  • HANG SENG

    17.740,05
    -272,10 (-1,51%)
     
  • NIKKEI

    27.116,11
    -195,19 (-0,71%)
     
  • NASDAQ

    11.515,25
    -26,50 (-0,23%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1055
    -0,0080 (-0,16%)
     

Mais de 75% dos idosos cita rede social, app, banco e streaming em sua rotina digital, diz Febraban

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O novo Observatório Febraban, pesquisa da federação dos bancos que será divulgada nesta quinta (22), abordou os efeitos da aceleração digital da pandemia sobre os brasileiros com mais de 60 anos.

O levantamento aponta algumas divergências de percepção entre o que os idosos pensam de seu próprio comportamento na internet e o que os outros imaginam.

No ranking das atividades que os respondentes acreditam ser realizadas online pelos idosos com mais frequência, 81% falam de acesso às redes sociais, 78% citam as videochamadas, 72%, os serviços bancários digitais.

Quando os respondentes são os próprios idosos com 60 anos ou mais, 85% citam o acesso a redes sociais, 78% dizem que usam para baixar aplicativo no celular, 75% para serviço de banco assim como o streaming, de acordo com a pesquisa, realizada entre 31 de agosto e 6 de setembro, com 3.000 pessoas nas cinco regiões do país.

O observatório também apontou que os sinais de distanciamento e temores permanecem, apesar do avanço digital dos últimos anos na esteira da pandemia. Cerca de 65% dos entrevistados estimam que os mais velhos têm dificuldade de usar as ferramentas digitais, patamar muito semelhante ao respondido pelos próprios idosos.

Por outro lado, também 65% dos entrevistados mais velhos dizem que elas já fazem parte de suas rotinas. Mais de 70% deles, porém, ressalvam que não confiam e não se sentem seguros no ambiente digital.