Mercado fechado
  • BOVESPA

    119.564,44
    +1.852,44 (+1,57%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.399,80
    +71,60 (+0,15%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,31
    -0,38 (-0,58%)
     
  • OURO

    1.786,60
    +10,60 (+0,59%)
     
  • BTC-USD

    56.831,28
    +2.401,70 (+4,41%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.456,95
    +51,65 (+3,68%)
     
  • S&P500

    4.167,59
    +2,93 (+0,07%)
     
  • DOW JONES

    34.230,34
    +97,31 (+0,29%)
     
  • FTSE

    7.039,30
    +116,13 (+1,68%)
     
  • HANG SENG

    28.417,98
    -139,16 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    28.812,63
    -241,37 (-0,83%)
     
  • NASDAQ

    13.483,50
    -52,50 (-0,39%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4269
    -0,1124 (-1,72%)
     

Mais de 307 mil pequenos negócios foram criados em um ano, no Rio

Extra
·2 minuto de leitura

Para muitos trabalhadores que perderam o emprego e a renda durante a pandemia de Covid19, o empreendedorismo se tornou a saída para ganhar dinheiro e pagar as contas da família. Em 2020, empreendedores fluminenses abriram mais de 307,8 mil pequenos negócios. Segundo pesquisa do Sebrae Rio, com base nos dados da Receita Federal, o destaque foi para o setor de serviços com quase 160 mil novas empresas.

Para a abertura de um novo negócio, salão de beleza (cabeleireiro, manicure e pedicure) e fornecimento de alimentos preparados para consumo domiciliar foram as principais atividades escolhidas pelos microempreendedores individuais (MEI).

“O empreendedorismo se tornou uma oportunidade para muita gente. Os pequenos negócios estão mantendo a economia. O setor de serviços cresceu muito. Das empresas abertas para esse tipo de atividade, no ano passado, os microempreendedores individuais representaram 88% do mercado. Um outro ponto que precisa ser destacado é que quando o negócio é formalizado, o empreendedor precisa ter conhecimento sobre os seus direitos, os benefícios e as suas obrigações”, explica Felipe Antunes, analista do Sebrae Rio.

Do total de empresas abertas no Estado do Rio, o setor de serviços abriu 159,9 mil empresas, seguido pelo comércio com 72,5 mil, indústria com 52,7 mil, economia criativa com 10,5 mil, turismo com 9,9 mil e agropecuária com 2,1 mil. Ao observar o desempenho dos pequenos negócios por atividade, lideram: serviço de escritório e apoio administrativo, comércio varejista de roupas, serviço médico ambulatorial e restaurantes que mais abriram empresas.

Ao todo, 90,2 mil pequenos negócios fecharam no Estado do Rio de Janeiro. O setor de serviços foi o que mais fechou empresas (39,1 mil), seguido por comércio (28,8 mil), indústria (14 mil), economia criativa (4,1 mil), turismo (3,5 mil) e agropecuária (470).

As atividades voltadas para o comércio varejista de roupas e restaurantes foram as mais impactadas. Das microempresas que fecharam, 42% eram do setor de comércio.