Mercado abrirá em 1 h 23 min
  • BOVESPA

    108.402,27
    +1.930,27 (+1,81%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.354,86
    +631,46 (+1,35%)
     
  • PETROLEO CRU

    91,92
    +1,16 (+1,28%)
     
  • OURO

    1.807,70
    +2,50 (+0,14%)
     
  • BTC-USD

    23.383,90
    -682,02 (-2,83%)
     
  • CMC Crypto 200

    543,42
    +0,55 (+0,10%)
     
  • S&P500

    4.140,06
    -5,13 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    32.832,54
    +29,04 (+0,09%)
     
  • FTSE

    7.486,44
    +4,07 (+0,05%)
     
  • HANG SENG

    20.003,44
    -42,33 (-0,21%)
     
  • NIKKEI

    27.999,96
    -249,28 (-0,88%)
     
  • NASDAQ

    13.110,50
    -72,75 (-0,55%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2319
    +0,0225 (+0,43%)
     

Mais de 300 estrelas variáveis são encontradas em galáxia satélite da Via Láctea

·3 min de leitura

Mais de 300 estrelas variáveis foram identificadas na galáxia Antlia 2 (ou apenas “Ant 2”), considerada uma galáxia satélite da Via Láctea. A descoberta foi feita por astrônomos que utilizaram o observatório Cerro Tololo Inter-American (CTIO), no Chile, e poderá contribuir para a compreensão da galáxia e de seus arredores.

Localizada a cerca de 422 mil anos-luz de nós, a Ant-2 foi descoberta pela identificação de três estrelas variáveis RR Lyrae (RRL), consideradas ótimas ferramentas para estudar a morfologia, metalicidade e idade das galáxias, principalmente daquelas que têm baixo brilho de superfície.

Da esquerda para a direita, a Grande Nuvem de Magalhães, a Via Láctea e Antlia 2 (Imagem: Reprodução/V. Belokurov / Marcus and Gail Davies / Robert Gendler.)
Da esquerda para a direita, a Grande Nuvem de Magalhães, a Via Láctea e Antlia 2 (Imagem: Reprodução/V. Belokurov / Marcus and Gail Davies / Robert Gendler.)

As estrelas que ajudaram na identificação fazem parte do catálogo Gaia DR2, e observações subsequentes mostraram que, na verdade, elas estavam na frente da Ant 2; portanto, não eram parte dela. Um estudo sugeriu que as RRL identificadas estavam perto de uma nuvem de detritos, vindos da Ant 2 durante sua disrupção das forças de maré da Via Láctea.

Assim, para confirmar este cenário, será preciso realizar um levantamento completo das estrelas RRL da Ant 2 e de sua vizinhança. A equipe liderada por Katherina Vivas, do observatório CTIO, fez uma busca por estrelas RRL e outras variáveis que estivessem na galáxia ou em sua linha de visão, e descobriram um grande grupo de estrelas variáveis por lá.

A descoberta das estrelas variáveis

Como o nome sugere, as estrelas variáveis são aquelas cujo brilho muda, o que pode ocorrer em apenas algumas frações de segundo ou até ao longo dos anos. Elas podem ser de diversos tipos, e podem também indicar aspectos importantes da estrutura e evolução estelar, contribuindo para a compreensão da escala de distâncias no universo. No caso do estudo, as estrelas variáveis eram do tipo RR Lira, conhecidas por serem da classe A ou F e com massa equivalente à metade da do Sol.

Cobertura espacial das observações de Ant 2, com as estrelas identificadas (Imagem: Reprodução/Vivas et al., 2021)
Cobertura espacial das observações de Ant 2, com as estrelas identificadas (Imagem: Reprodução/Vivas et al., 2021)

Os astrônomos descobriram 350 estrelas variáveis pulsantes, sendo que 318 são RRLs e 8 são Cefeidas anômalas; as estrelas da classe das Cefeidas mostram variações de diâmetro e temperatura, produzindo também as típicas mudanças no brilho. Eles consideram que as RRLs detectadas são membros puros da galáxia, que não foram “contaminados” pelas estrelas do mesmo tipo da Via Láctea.

O resultado sugere que a distância a Ant 2 é de aproximadamente 404.500 anos-luz, portanto, menor do que se pensava. Além disso, eles conseguiram confirmar que, de fato, Ant 2 é uma grande galáxia — que pode até mesmo se estender além da área observada. Por fim, eles sugerem que as estrelas RRLs observadas se separaram da parte principal da galáxia após a última passagem por lá, provavelmente ocorrida há 800 milhões de anos.

O artigo com os resultados do estudo foi publicado no repositório online arXiv, sem passar por revisão de pares.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos