Mercado abrirá em 3 h 13 min
  • BOVESPA

    119.710,03
    -3.253,98 (-2,65%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.748,41
    -906,88 (-1,83%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,45
    -1,63 (-2,47%)
     
  • OURO

    1.814,30
    -8,50 (-0,47%)
     
  • BTC-USD

    49.580,12
    -7.554,17 (-13,22%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.333,89
    -229,94 (-14,70%)
     
  • S&P500

    4.063,04
    -89,06 (-2,14%)
     
  • DOW JONES

    33.587,66
    -681,50 (-1,99%)
     
  • FTSE

    6.859,19
    -145,44 (-2,08%)
     
  • HANG SENG

    27.718,67
    -512,37 (-1,81%)
     
  • NIKKEI

    27.448,01
    -699,50 (-2,49%)
     
  • NASDAQ

    12.971,75
    -26,75 (-0,21%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4178
    +0,0123 (+0,19%)
     

Mais de 110 clientes são multadas por violar lockdown em jantar clandestino em Paris

·1 minuto de leitura

PARIS (Reuters) - Mais de 110 pessoas jantando em um restaurante clandestino foram multadas na noite de sexta-feira por violarem o lockdown contra a Covid-19, afirmou a polícia de Paris, dias depois de o governo negar acusações de que ministros participaram de jantares similares.

A batida no 19º arrondissement da capital francesa foi a mais recente ação policial contra restaurantes quebrando as regras para oferecer aos clientes uma amostra da vida pré-pandêmica.

Restaurantes, bares e cafés estão fechados para clientes consumirem no local há meses, e a frustração do público está crescendo em meio a um terceiro lockdown nacional e outra onda de infecções por coronavírus.

“Clientes multados por não respeitarem as medidas sanitárias. Organizador e gerentes detidos”, disse a polícia da cidade no Twitter.

Em outro incidente, dezenas de clientes foram sancionados por comerem em um restaurante no subúrbio de Saint-Quen, em Paris, durante a hora do almoço da sexta-feira.

O governo do presidente Emmanuel Macron negou alegações de um empresário na emissora de televisão M6 de que havia organizado vários jantares ilegais com participação de ministros.

O empresário, Pierre-Jean Chalencon, posteriormente recuou em seus comentários sobre a presença de ministros, mas o assunto continua a assombrar o governo.

(Reportagem de Richard Lough)