Mercado fechado
  • BOVESPA

    107.557,67
    +698,80 (+0,65%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.918,28
    +312,72 (+0,62%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,07
    +0,02 (+0,03%)
     
  • OURO

    1.785,60
    +0,90 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    50.786,35
    -288,57 (-0,56%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.311,11
    -10,17 (-0,77%)
     
  • S&P500

    4.686,75
    +95,08 (+2,07%)
     
  • DOW JONES

    35.719,43
    +492,40 (+1,40%)
     
  • FTSE

    7.339,90
    +107,62 (+1,49%)
     
  • HANG SENG

    23.983,66
    0,00 (0,00%)
     
  • NIKKEI

    28.778,08
    +322,48 (+1,13%)
     
  • NASDAQ

    16.364,00
    +46,00 (+0,28%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3446
    +0,0049 (+0,08%)
     

Maioria do TSE é contra a cassação da chapa Bolsonaro-Mourão por disparos em massa

·2 min de leitura

A maioria dos ministros do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) votou contra a cassação dos diplomas e a consequente inelegibilidade por oito anos do presidente da República, Jair Bolsonaro, e do vice, Hamilton Mourão, por abuso de poder econômico e uso indevido dos meios de comunicação. O julgamento das ações foi retomado nesta quinta-feira com o voto do ministro Carlos Horbach. O julgamento ainda está em andamento.

O ministro concordou com o corregedor-geral da Justiça Eleitoral, ministro Luís Felipe Salomão, para quem não houve provas suficientes para comprovar que os disparos em massa durante a campanha eleitoral afetaram o resultado das eleições. Mas entendeu que o uso de disparos em massa no WhatsApp não pode ser considerado uso indevido dos meios de conunicação.

As duas ações foram apresentadas pela coligação O Povo Feliz de Novo (PT, PC do B e Pros), que teve como candidato a presidente o ex-ministro Fernando Haddad (PT) e vice, a ex-deputada Manuela d'Ávila (PC do B). Os partidos questionam o uso de empresas contratadas para fazer os disparos de mensagens e afirmam que as comunicações, enviadas sobretudo via WhatsApp, afetaram o o resultado nas eleições. Segundo as legendas, a chapa Bolsonaro-Mourão teria incorrido nos crimes de abuso de poder econômico e uso indevido dos meios de comunicação.

Horbach também discordou da tese proposta por Salomão sobre o uso de disparos em massa e a configuração de crimes de abuso de poder, já seguida por três ministros.

"O uso de aplicações digitais de mensagens instantâneas, visando promover disparos em massa, contendo desinformação e inverdades em prejuízo de adversários e em benefício de candidato, pode configurar abuso de poder econômico e/ou uso indevido dos meios de comunicação social", diz a proposta do corregedor.

Para Horbach, no entanto, é importante deixar a questão aberta a um exame caso a caso, "ao invés de fixar uma tese sobre o tema".

Em um julgamento muito similar, em fevereiro, o TSE decidiu arquivar duas outras ações, apresentadas pelo PDT, que pediam a cassação da chapa Bolsonaro-Mourão pelo mesmo motivo: abuso de poder econômico por supostos disparos em massa de mensagens na eleição de 2018. A decisão foi unânime, a partir do voto do corregedor.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos