Mercado fechado

Maioria em SP consegue recuperar dinheiro após fraude bancária, diz Datafolha

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Mesmo com um aumento nos casos de crimes cibernéticos e da maior sofisticação dos bandidos, a maioria das pessoas que foram vítimas de golpes envolvendo a conta bancária em São Paulo recuperaram o dinheiro perdido.

De acordo com pesquisa Datafolha, 57% dos entrevistados que já sofreram fraude ou tiveram algum valor desviado informaram que conseguiram ter a quantia de volta.

Maioria das pessoas que foram vítimas de golpes envolvendo a conta bancária em São Paulo recuperaram o dinheiro perdido Catarina Pignato Faça o bloqueio da linha telefônica Ligue para sua operadora de celular e informe o número do Imei O Imei é um número anotado na caixa do celular, geralmente em uma etiqueta branca Há outras formas de localizar o Imei, mas, em geral, são no próprio celular e isso, neste momento, não será possível **** O Datafolha mostra que a incidência desse tipo de crime ainda é exceção entre os entrevistados. Apenas 16% afirmaram já ter passado por essa situação.

A pesquisa ouviu 1.806 pessoas em 61 municípios de São Paulo, entre os dias 28 e 30 de junho. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

Embora a maioria tenha conseguido recuperar o dinheiro, os recortes de ensino e renda mostram que as pessoas mais escolarizadas e com maiores salários foram as que tiveram maior sucesso.

Entre os entrevistados com ensino fundamental completo, por exemplo, só 39% afirmam ter recebido o dinheiro de volta. Dos que concluíram o ensino médio, 55% tiveram o mesmo desfecho. Já entre os que possuem ensino superior, a taxa de sucesso foi a melhor: 69%.

O mesmo acontece em relação ao salário. Quanto maior a renda, maior o percentual de êxito.

Das pessoas que recebem até dois salários mínimos e sofreram alguma fraude, 42% recuperaram o dinheiro perdido. Essa proporção sobe para 59% no grupo dos que ganham entre dois e cinco salários. Na faixa de renda superior (entre 5 e 10 salários), a maioria teve o valor devolvido: 86%.

Fraude é mais comum entre quem ganha acima de 5 salários A pesquisa do Datafolha também indica que a incidência de golpes cai de acordo com a renda. Entre os entrevistados que recebem mais de dez salários mínimos, 26% já tiveram dinheiro desviado da conta bancária ou sofreram fraude.

Dos que recebem entre cinco e dez salários, 21% já foram vítimas de crimes semelhantes. É o segundo grupo com mais casos, seguido das pessoas que ganham entre dois e cinco salários (17%) e menos de dois salários mínimos (14%).

A pesquisa ainda mostra que, dos 16% que foram vítimas de fraude ou desvio, 3% afirmam que o crime aconteceu após ter o smartphone roubado. O esquema é conhecido como "golpe do limpa tudo" e tem sido mais frequente nos últimos meses.

Lista **** Após roubar ou furtar o celular da vítima, os criminosos conseguem descobrir as senhas de aplicativos de bancos e demais instituições financeiras para fazer transações e levar todo o dinheiro embora.

Nesses casos, a pessoa pode pedir os valores de volta para a instituição financeira. No entanto, é preciso agir rápido.

Além de apagar os dados de forma online após ser roubado, é necessário ligar imediatamente para o banco, pedir o bloqueio de todos os acessos e anotar o protocolo de atendimento, o horário e, se possível, o nome da pessoa que o atendeu. Em seguida, registrar o boletim de ocorrência. Se, mesmo assim, o banco autorizar transações que levem o dinheiro da vítima, há como pedir o valor de volta.

Como evitar golpes e fraudes bancárias Há outras situações em que a vítima de crime financeiro consegue ter o dinheiro de volta. Nos casos envolvendo o Pix, por exemplo, o Banco Central informa que existem mecanismos para aumentar a chance de ressarcimento. São eles o bloqueio cautelar do Pix e o MED (Mecanismo Especial de Devolução).

No caso do MED, ao serem comunicadas da fraude, as instituições financeiras em que a vítima e o fraudador têm contas poderão abrir uma notificação para o bloqueio dos recursos.

Para isso, é preciso registrar um boletim de ocorrência e avisar imediatamente a instituição pelo canal de atendimento oficial, como SAC (Serviço de Atendimento ao Consumidor) ou Ouvidoria.

Feito o aviso, ambas as instituições deverão analisar o caso e, se configurada situação de fraude, será feita a devolução dos recursos.

No entanto, a melhor forma de evitar é se precavendo. Algumas dicas para reforçar a segurança são: proteger senha do aplicativo do banco e não anotar em papel; diminuir o valor que pode ser transferido via Pix; conferir os dados de quem vai receber a transferência; não clicar em links suspeitos para cadastrar ou fazer pagamentos; suspeitar de benefícios, descontos e rendimentos que precisam do Pix.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos