Mercado abrirá em 9 h 32 min
  • BOVESPA

    111.289,18
    +1.085,18 (+0,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.037,05
    -67,35 (-0,13%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,77
    -0,58 (-0,66%)
     
  • OURO

    1.814,40
    -15,30 (-0,84%)
     
  • BTC-USD

    35.854,71
    -1.098,27 (-2,97%)
     
  • CMC Crypto 200

    815,79
    -40,02 (-4,68%)
     
  • S&P500

    4.349,93
    -6,52 (-0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.168,09
    -129,61 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.469,78
    +98,32 (+1,33%)
     
  • HANG SENG

    23.806,57
    -483,33 (-1,99%)
     
  • NIKKEI

    26.368,15
    -643,18 (-2,38%)
     
  • NASDAQ

    13.926,00
    -232,50 (-1,64%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0987
    -0,0077 (-0,13%)
     

Maioria dos profissionais de TI foca em apenas uma linguagem de programação

·2 min de leitura

Para entender quais são as especializações e competências dos trabalhadores do setor de desenvolvimento de software, a Rocketseat, edtech focada no ensino de programação, realizou um estudo sobre como esses profissionais estão inseridos no mercado, visando ver qual a linguagem de programação mais utilizada.

Na pesquisa foram coletados dados de mais de 1200 desenvolvedores e 500 mil l cadastrados na base da edtech sobre as linguagens de programação mais utilizadas. Em primeiro lugar, ficou o Javascript, sendo a resposta de 58% dos entrevistados. Em seguida, estão a Typescript, com 13%, e o SQL, com 11%.

A pesquisa também inclui um levantamento sobre as especialidades de cada desenvolvedor, onde o full-stack (capaz de atuar em todas as partes de um projeto) aparece em primeiro lugar, com mais de 16%, seguida do front-end (focado na interface do programa e tudo relacionado), com 15%.

Interesse na área

<em>Número de desenvolvedores desempregados é baixo. (Reprodução/lmonk72/Pixabay)</em>
Número de desenvolvedores desempregados é baixo. (Reprodução/lmonk72/Pixabay)

Ainda no levantamento, foram coletados dados com base nos 48 milhões de usuários do Linkedin, que identificaram que cerca de 5 milhões de perfis da rede social empresarial tem interesse em ingressar na área de tecnologia, seja em programação, gestão de dados ou desenvolvimento web. Porém, desse número, apenas 1 milhão e 400 mil apresentam competências de desenvolvedores, como C++, C#, Java, Python, entre outras.

Mesmo assim, o número de desempregados na área felizmente é baixo: apenas 9%.

“A tecnologia deve ser acessível para todos. A nossa ideia é que a gente consiga mostrar isso e retirar todos os estigmas que as áreas de TI causam. O mercado tem um gap enorme de profissionais e a gente quer reduzir isso ao máximo possível”, afirma Rodrigo Terron, COO da Rocketseat.

Para exemplicar sua afirmação, o COO cita um levantamento feito pela Brasscom referente ao ano de 2020, que mostrou que por mais que o Brasil forme cerca de 46 mil profissionais de tecnologia anualmente, a procura por esses especialistas deve ultrapassar o número de 420 mil até 2024.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos