Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.247,15
    -2.542,18 (-2,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.378,14
    -1.085,89 (-2,11%)
     
  • PETROLEO CRU

    109,08
    -3,32 (-2,95%)
     
  • OURO

    1.815,20
    -3,70 (-0,20%)
     
  • BTC-USD

    29.102,71
    -1.056,62 (-3,50%)
     
  • CMC Crypto 200

    650,32
    -20,36 (-3,04%)
     
  • S&P500

    3.923,68
    -165,17 (-4,04%)
     
  • DOW JONES

    31.490,07
    -1.164,52 (-3,57%)
     
  • FTSE

    7.438,09
    -80,26 (-1,07%)
     
  • HANG SENG

    20.644,28
    +41,76 (+0,20%)
     
  • NIKKEI

    26.911,20
    +251,45 (+0,94%)
     
  • NASDAQ

    11.879,00
    -681,25 (-5,42%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2169
    +0,0065 (+0,12%)
     

Maioria dos brasileiros acredita que suas senhas são seguras, revela estudo

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

A pandemia provocou uma necessidade urgente de conexão, obrigando não só clientes regulares a aumentar o número de operações online, mas também aqueles que resistiram ou alegaram desconhecimento dessa nova realidade. No entanto, a maioria das pessoas carece de bons hábitos digitais, principalmente no que diz respeito à segurança digital.

De acordo com o estudo "A infodemia e seu impacto na vida digital" da Kaspersky, em associação com a Corpa, os internautas brasileiros confiam de maneira excessiva no uso de suas senhas. De acordo com a pesquisa, dos entrevistados no Brasil, 69% confiam que suas senhas não foram expostas na web — o maior número na América Latina, seguido pelos mexicanos (61%) e peruanos (60%), enquanto os chilenos (54%) são os que menos confiam.

Os dados revelam uma falsa sensação de segurança ao considerar os graves vazamentos de dados que afetaram empresas no Brasil e no mundo. Um exemplo claro é o que aconteceu com o Facebook em abril de 2021, quando vazaram dados de mais de 50 milhões de usuários da região, incluindo números de identificação pessoal (ID) e números de telefone associados a contas e senhas.

“Usar a mesma senha em todos os serviços pode ser conveniente, mas é uma prática que pode ter sérias consequências, pois basta um serviço ser comprometido para que a pessoa perca o controle de toda sua vida digital. O mesmo ocorre quando salvamos as senhas no navegador, escrevemos elas na agenda ou as compartilhamos com familiares com o objetivo de recuperá-las caso sejam esquecidas”, comenta Fabio Assolini, analista sênior de segurança da Kaspersky no Brasil.

Como criar senhas fortes e se proteger de possíveis golpes

<em>Criar senhas fortes é uma importante forma de proteger sua identidade online. (Imagem: Reprodução/Pixabay)</em>
Criar senhas fortes é uma importante forma de proteger sua identidade online. (Imagem: Reprodução/Pixabay)

Para proteger a segurança e evitar erros relacionados ao uso de senhas, os especialistas da Kaspersky recomendam que os usuários criem suas credenciais de acesso com as seguintes dicas em mente:

  • Use pelo menos 16 caracteres e inclua letras maiúsculas, minúsculas, números e símbolos.

  • Não use como senhas coisas que pessoas próximas de você possam adivinhar;

  • Não use informações pessoais, como apelido ou nome dos filhos;

  • Não use palavras e padrões comuns, como "senha123" ou "meunome2134".

  • Crie senhas que tenham uma lógica ou um significado (as iniciais da sua música preferida) que permita lembrá-las.

  • Crie senhas únicas para cada conta. O risco de vazamento de dados existe sempre e a segurança de todas as contas fica comprometida caso a senha seja repetida.

  • Troque-os constantemente, a cada 3 meses é o recomendado.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos