Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.880,82
    +1.174,91 (+0,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.219,26
    +389,95 (+0,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,51
    +1,69 (+2,65%)
     
  • OURO

    1.844,00
    +20,00 (+1,10%)
     
  • BTC-USD

    49.360,04
    -1.976,18 (-3,85%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,33
    +39,77 (+2,93%)
     
  • S&P500

    4.173,85
    +61,35 (+1,49%)
     
  • DOW JONES

    34.382,13
    +360,68 (+1,06%)
     
  • FTSE

    7.043,61
    +80,28 (+1,15%)
     
  • HANG SENG

    28.027,57
    +308,90 (+1,11%)
     
  • NIKKEI

    28.084,47
    +636,46 (+2,32%)
     
  • NASDAQ

    13.398,00
    +297,75 (+2,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4040
    -0,0085 (-0,13%)
     

Maioria das grandes empresas não cumpre metas do clima

·2 minuto de leitura
Menos de uma a cada quatro das maiores empresas do mundo está no caminho correto para cumprir a meta de limitar o aquecimento global a 1,5ºC até 2050

Menos de uma a cada quatro das maiores empresas do mundo está no caminho correto para cumprir a meta de limitar o aquecimento global a 1,5ºC até 2050, revela um estudo publicado nesta quinta-feira.

O estudo de empresa britânica de investimentos Arabesque, que revisou 2015 a 2019 quase 700 grandes empresas cotadas na Bolsa em 14 países, incluindo Estados Unidos, Reino Unido, Japão e França, foi divulgado no dia em que o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, abre uma reunião virtual sobre o clima.

De acordo com a Arabesque, 24,84% das grandes empresas cotadas na Bolsa adotaram medidas para limitar o aquecimento global a 1,5ºC.

As empresas europeias são as que registram os melhores resultados, especialmente na Suécia (50%), Alemanha (39,29%) e Finlândia (33,33%).

Reino Unido (23,08%) e Estados Unidos (23,08%) estão muito atrás, mas China (8,51%) e Austrália (4,55%) têm cenários ainda piores.

O estudo, no entanto, destaca que 15% das empresas listadas nas Bolsas dos 14 países não publicam suas emissões de gases do efeito estufa. A proporção sobe para 29% no caso do índice Hang Seng da Bolsa chinesa.

O objetivo do Acordo de Paris assinado em 2015 é limitar o aquecimento global a de 2°C, se possível a 1,5°C na comparação com a era pré-industrial.

Este último objetivo parece difícil de alcançar, mas a meta de limitar a 2 graus Celsius deve ser respeitado por 70% das grandes empresas até 2030.

"As declarações de boas intenções por si só não levarão às ações necessárias. De fato, apesar do número crescente de compromissos, os níveis médios de dióxido de carbono na atmosfera aumentaram desde 2015", destaca Georg Kell, presidente da Arabesque.

"Este ano é um potencial ponto de virada, ao oferecer aos líderes empresariais a oportunidade de pensar grande e atuar de acordo. Mas o tempo está acabando", completou.

Biden convidou 40 líderes mundiais para a reunião de cúpula do clima, que acontecerá por videoconferência na quinta-feira e sexta-feira. Os presidentes da China, Xi Jinping, e da Rússia, Vladimir Putin, estão entre os participantes.

A União Europeia (UE) alcançou na quarta-feira um acordo entre os eurodeputados e os Estados membros sobre uma redução líquida de "pelo menos 55%" das emissões de gases do efeito estufa até 2030.

O governo britânico se comprometeu na terça-feira a reduzir as emissões em 78% até 2035, na comparação com os níveis de 1990, aumentando seu objetivo de redução de 68% até 2030. Os esforços no meio ambiente estão sendo estimulados no Reino Unido antes da organização na cidade escocesa de Glasgow em novembro da conferência sobre o clima COP26.

jbo-acc/mb/fp