Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.496,21
    -2.316,66 (-2,04%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.463,26
    -266,54 (-0,55%)
     
  • PETROLEO CRU

    89,91
    -0,59 (-0,65%)
     
  • OURO

    1.760,30
    -10,90 (-0,62%)
     
  • BTC-USD

    20.934,77
    -2.390,24 (-10,25%)
     
  • CMC Crypto 200

    504,88
    -36,72 (-6,78%)
     
  • S&P500

    4.228,48
    -55,26 (-1,29%)
     
  • DOW JONES

    33.706,74
    -292,30 (-0,86%)
     
  • FTSE

    7.550,37
    +8,52 (+0,11%)
     
  • HANG SENG

    19.773,03
    +9,12 (+0,05%)
     
  • NIKKEI

    28.930,33
    -11,81 (-0,04%)
     
  • NASDAQ

    13.250,00
    -273,25 (-2,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1885
    -0,0253 (-0,49%)
     

Maioria das empresas viu aumento no custo dos planos de saúde após covid

A pandemia de covid levou a um aumento nos custos dos planos de saúde de 75% das empresas que participaram do estudo HR Trends Benefícios Corporativos 2022. Esta é a segunda edição da pesquisa da Propay, especializada em terceirização de soluções para recursos humanos.

Segundo a análise, muitos procedimentos, como cirurgias e tratamentos médicos, foram adiados durante o período mais crítico de isolamento social. Com isso, algumas empresas que não enfrentaram alta na sinistralidade — relação entre o número de procedimentos acessados pelo beneficiário e o valor pago pela empresa ao plano de saúde — talvez sofram em breve um aumento.

"Entender estes novos cenários e como as organizações estão lidando com isso é fundamental para a tomada de decisões táticas e estratégicas no que tange a gestão de pessoas”, diz Fernando Verderano, diretor de benefícios da Propay.

Além disso, a crise sanitária mundial levou ao crescimento da atenção à saúde mental. Levantamentos oficiais indicam a mais desestabilidade emocional nos últimos dois anos, com aumento de casos de depressão e ansiedade nos quadros de funcionários. No levantamento, 45% das companhias afirmaram que sua empresa oferece programas com foco em evitar doenças emocionais.

De acordo com a pesquisa, 30% dos RHs das empresas implantaram benefícios flexíveis para funcionários (Imagem: Reprodução/wocintechchat.com/Unsplash)
De acordo com a pesquisa, 30% dos RHs das empresas implantaram benefícios flexíveis para funcionários (Imagem: Reprodução/wocintechchat.com/Unsplash)

Horários alternativos para millennials

Outro ponto sensível do estudo é o esforço do RH para se adequar às necessidades das novas gerações. Cerca de 53% das empresas estão investindo em modelos de trabalho flexíveis como home office e horários alternativos, atendendo aos pedidos dos millennials.

A flexibilidade também é uma prioridade na negociação de benefícios. De acordo com a pesquisa, 30% das empresas implantaram benefícios flexíveis — vantagens além das obrigatórias por lei — após a pandemia. Na primeira edição da pesquisa HR Trends, de 2019, apenas 8% diziam ter tais benefícios. Na ocasião, 49% disseram que sabiam o que significava a importância dessas benesses, mas ainda não trabalhavam com elas.

O estudo foi realizado online, com profissionais de RH que trabalham com gestão de benefícios corporativos. Ao todo foram 413 respondentes que atuam em empresas nacionais e multinacionais de variados portes.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos