Mercado fechado
  • BOVESPA

    128.057,22
    -1.202,27 (-0,93%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.202,80
    -376,30 (-0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,97
    -1,18 (-1,64%)
     
  • OURO

    1.775,40
    -86,00 (-4,62%)
     
  • BTC-USD

    37.734,81
    -936,13 (-2,42%)
     
  • CMC Crypto 200

    937,22
    -32,65 (-3,37%)
     
  • S&P500

    4.221,86
    -1,84 (-0,04%)
     
  • DOW JONES

    33.823,45
    -210,22 (-0,62%)
     
  • FTSE

    7.153,43
    -31,52 (-0,44%)
     
  • HANG SENG

    28.558,59
    +121,75 (+0,43%)
     
  • NIKKEI

    29.018,33
    -272,68 (-0,93%)
     
  • NASDAQ

    14.178,50
    +197,25 (+1,41%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9733
    -0,0887 (-1,46%)
     

Maioria das empresas brasileiras diz ser alvo de ataques digitais com frequência

·3 minuto de leitura
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 25.04.2019: Baias de computadores na Central SP 156 da Prefeitura de São Paulo. (Foto: Jorge Araújo/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 25.04.2019: Baias de computadores na Central SP 156 da Prefeitura de São Paulo. (Foto: Jorge Araújo/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A maioria das empresas brasileiras diz que é alvo de fraudes e ataques digitais com média ou alta frequência, segundo pesquisa da Mastercard em parceria com o Datafolha.

De acordo com o levantamento, 57% das companhias dos setores de educação, financeiro e seguros, tecnologia e telecomunicações, saúde e varejo afirmam se enquadrar nessa categoria. As que dizem ser atacadas com baixa frequência são 34%, enquanto 8% dizem não ser alvo.

Divulgado nesta terça-feira (1º), o estudo, chamado de "Barômetro da Segurança Digital", entrevistou decisores da área de tecnologia de 351 empresas, entre os dias 1 e 25 de fevereiro de 2021, por meio de entrevistas telefônicas. A margem de erro é de 5 pontos percentuais.

Os resultados apontam que, apesar das organizações reconhecerem a importância da cibersegurança, elas não desenvolvem políticas de segurança digital e treinamento para os seus funcionários de forma aprofundada.

Entre os segmentos analisados, os mais preparados em cibersegurança são finanças e seguros e tecnologia e telecomunicações.

De acordo com os entrevistados, apenas 24% das empresas consideram estar bem preparadas para reagir a um ataque cibernético e só 32% delas têm uma área própria de cibersegurança separada do setor de tecnologia da informação (TI), algo considerado fundamental por especialistas de segurança digital.

No caso das empresas de tecnologia e telecomunicação, a maioria (54%) têm um time de cibersegurança independente.

Enquanto a maioria dos responsáveis afirma ter um plano de resposta a um eventual ataque, apenas um terço fez algum tipo de teste preventivo nos três meses antecedentes à realização da pesquisa.

Para 80%, a cibersegurança é considerada muito importante pelas companhias, mas não é uma prioridade no orçamento para 39% delas.

A preocupação é vista como prioridade máxima em apenas 21% das empresas. No caso do setor financeiro e de seguros, a métrica sobe para 39%.

As áreas vistas como mais suscetíveis para ataques de hackers são o departamento financeiro e o banco de dados de seus clientes, sendo que 11% delas afirmaram ter sofrido algum tipo de ataque cibernético em 2020.

O uso de contas pessoais de e-mail, acesso às redes sociais e a navegação na internet são apontadas como as principais ameaças --48% das empresas dizem ter políticas de cibersegurança para funcionários.

Segundo a Mastercard, outro ponto de atenção são terceiros e fornecedores das empresas, que originam grande parte dos ataques cibernéticos.

De acordo com os respondentes, o as principais dificuldades são: conscientizar os profissionais da empresa sobre a importância do assunto e encontrar profissionais qualificados para gerir o sistema de segurança.

Para os entrevistados, investir em cibersegurança traz confiança para gestão dos negócios e credibilidade diante de clientes e parceiros.

"Hoje, mais do que nunca, os consumidores desejam interações simples, rápidas e seguras com quem se relacionam online. O cliente não quer praticidade em detrimento da segurança", afirma Estanislau Bassols, gerente geral da Mastercard.

A maioria dos entrevistados afirma que a LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados) trará mais benefícios do que prejuízos para as organizações.

Dicas da Mastercard para melhorar a segurança digital: Fazer simulações de riscos e fraudes frequentemente -sem esquecer dos parceiros e terceiros; Ter uma área focada em cibergurança na companhia; Treinar e conscientizar seus funcionários sobre a importância da segurança no ambiente digital; Contratar e fazer parcerias com empresas que ofereçam soluções em cibersegurança.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos