Mercado fechado

Maior granja brasileira vai investir R$ 100 milhões para ‘libertar’ suas galinhas

Marcus Couto
·2 minuto de leitura
Galinhas livres são o futuro, segundo Leandro Pinto, da Mantiqueira. (Foto: Getty Images)
Galinhas livres são o futuro, segundo Leandro Pinto, da Mantiqueira. (Foto: Getty Images)

O empresário Leandro Pinto, chefe da Mantiqueira, maior granja de ovos do país, anunciou um plano ousado para investir R$ 100 milhões para a construção de um novo modelo de produção de ovos – um modelo que seja menos cruel com as galinhas, e permita que elas se movam livremente, sem o confinamento em gaiolas, como ainda é o padrão – em transformação – da indústria.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Finanças no Google News

Pinto detalhou seus planos em uma entrevista ao jornal Valor Econômico, que publicou uma reportagem sobre o assunto.

“O futuro não é mais de galinha em gaiola”, diz Pinto.

Leia também:

Ele se refere ao movimento de gigantes da alimentação, como a rede de lanchonetes fast-food McDonald’s, que estabeleceram um prazo para a troca no modelo de criação das aves, das gaiolas para o ar livre. No caso do Mc, esse prazo é 2025, ano em que Pinto pretende ter um terço de sua produção sob o novo modelo.

Esse “prazo” não é exclusivo ao Mc, e representa um grande movimento que ocorre na indústria no sentido de práticas mais sustentáveis e que sejam menos agressivas ao meio-ambiente. A fabricante de massas Barilla, por exemplo, cliente da Mantiqueira, também adotou essa ética.

O valor de R$ 100 milhões, obtido a partir de uma linha de financiamento dedicada a projetos sustentáveis, será destinado à construção de duas novas granjas sem gaiolas, nas cidades de Lorena (SP) e Campanha (MG). A primeira já deve ficar pronta no ano que vem.

Além da liberdade, as galinhas terão acompanhamento garantido por instrumentos tecnológicos: sensores que medirão suas temperaturas corporais e níveis de hidratação, além de ração especial enriquecida.

Tudo isso deve impactar no preço do ovo para o consumidor final. O produto chegará ao mercado como uma opção “premium”. Mas esse é o valor a ser pago por uma produção de ovos mais sustentável e respeitosa para com as galinhas.

Assine agora a newsletter Yahoo em 3 Minutos

Siga o Yahoo Finanças no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube