Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.451,20
    +74,85 (+0,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.442,21
    +436,10 (+0,97%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,82
    -0,33 (-0,40%)
     
  • OURO

    1.667,30
    -2,70 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    19.617,20
    +553,82 (+2,91%)
     
  • CMC Crypto 200

    447,10
    +18,32 (+4,27%)
     
  • S&P500

    3.719,04
    +71,75 (+1,97%)
     
  • DOW JONES

    29.683,74
    +548,75 (+1,88%)
     
  • FTSE

    7.005,39
    +20,80 (+0,30%)
     
  • HANG SENG

    17.250,88
    -609,43 (-3,41%)
     
  • NIKKEI

    26.173,98
    -397,89 (-1,50%)
     
  • NASDAQ

    11.558,00
    +2,25 (+0,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2289
    +0,0690 (+1,34%)
     

Maior fundo soberano do mundo perde R$ 833 bilhões em seis meses

Nicolai Tangen, CEO do fundo Norges Bank Investment Management, explicou os motivos da perda (REUTERS/Gwladys Fouche)
Nicolai Tangen, CEO do fundo Norges Bank Investment Management, explicou os motivos da perda

(REUTERS/Gwladys Fouche)

  • Fundo soberano da Noruega perdeu R$ 833 bilhões em seis meses;

  • Fundo é o maior do mundo;

  • Perdas tem a ver com taxas de juros crescentes, inflação alta e guerra na Europa.

O fundo soberano da Noruega, o maior do mundo, perdeu quase 1,68 trilhão de coroas (R$ 833 bilhões) no primeiro semestre deste ano, afirmou o Banco Central do país. A rentabilidade negativa foi de 14,4% e o valor do fundo caiu para 11,65 trilhões de coroas no final de junho.

O fundo soberano é uma categoria de investimentos que é criada e administrada pelo governo federal do país, ao qual pertencem os recursos. No caso da Noruega, o fundo é alimentado especialmente pelas receitas petrolíferas do Estado.

Em comunicado, o CEO do Norges Bank Investment Management (NBIM), Nicolai Tangen, disse que “o mercado foi atingido por taxas de juros crescentes, inflação alta e a guerra na Europa. Os investimentos em ações caíram em até 17%”. Ele ainda destacou que as ações de tecnologia “tiveram um desempenho particularmente ruim”.

As únicas exceções foram as ações energéticas, devido aos grandes investimentos que o fundo fez em energia eólica nos últimos anos. “No primeiro semestre do ano, o setor de energia teve um retorno de 13%. Vimos aumentos acentuados de preços de petróleo, gás e produtos refinados”, acrescentou Tangen.

Segundo o analista da Economist Intelligence Unit, Matthew Oxenford, o desempenho do fundo é similar ao de outros fundos, já que o primeiro semestre deste ano sofreu uma reviravolta significativa nos mercados financeiros em todo o mundo.

“Globalmente, grande parte desse declínio foi impulsionado pelo aperto monetário agressivo dos bancos centrais, que levou a um declínio acentuado no investimento em empresas de rápido crescimento em setores de alto crescimento, como tecnologia, à medida que o retorno de investimentos mais seguros aumenta e o conjunto global do investimento de alto risco encolhe”, disse ao portal CNBC.

O fundo norueguês está presente no capital de cerca de 9.300 empresas e controla cerca de 1,3% da capitalização de mercado global.