Mercado fechará em 7 hs
  • BOVESPA

    129.264,96
    +859,61 (+0,67%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.315,69
    -3,88 (-0,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,32
    -0,34 (-0,46%)
     
  • OURO

    1.774,60
    -8,30 (-0,47%)
     
  • BTC-USD

    30.089,88
    -2.177,47 (-6,75%)
     
  • CMC Crypto 200

    714,11
    -136,24 (-16,02%)
     
  • S&P500

    4.224,79
    +58,34 (+1,40%)
     
  • DOW JONES

    33.876,97
    +586,89 (+1,76%)
     
  • FTSE

    7.086,98
    +24,69 (+0,35%)
     
  • HANG SENG

    28.309,76
    -179,24 (-0,63%)
     
  • NIKKEI

    28.884,13
    +873,20 (+3,12%)
     
  • NASDAQ

    14.130,75
    +0,75 (+0,01%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9850
    +0,0097 (+0,16%)
     

Maior estudo evolutivo de coronavírus confirma origem do Sars-CoV-2 de morcegos para humanos

·5 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Há mais de um ano, convivemos com um inimigo invisível: o coronavírus Sars-CoV-2, responsável pela pandemia da Covid-19 e que antes era desconhecido da espécie humana.

Algumas teorias de como o novo vírus passou para o homem surgiram já em 2019, com a hipótese de ser um coronavírus de morcego que primeiro infectou pangolins e depois humanos, com base na proximidade dos vendedores e clientes com esses animais em mercados de animais de Wuhan, onde foram registrados os primeiros casos.

A própria Organização Mundial da Saúde (OMS) enviou especialistas a Wuhan neste ano com o objetivo de encontrar respostas para essa pergunta. O relatório divulgado pela entidade no final de março sugeria a origem a partir de morcegos, mas os cientistas não encontraram evidências de que o paciente zero tenha frequentado um mercado de animais local.

Agora, o maior estudo evolutivo de coronavírus confirmou a origem do Sars-CoV-2 a partir de um coronavírus de morcegos, e não de pangolins, e ainda traz um alerta sobre a importância de investigar vírus nesses animais como uma estratégia global de monitoramento de endemias, e não apenas em situações de emergência sanitária.

A pesquisa foi conduzida no Centro de Pesquisa em Bioinformática da Universidade da Carolina do Norte em Charlotte (UNCC), liderada pelo professor Daniel Janies, do mesmo centro, e tem como primeiro autor o brasileiro e bioinformata Denis Jacob Machado, que é também pesquisador de pós-doutorado na UNCC.

O artigo científico foi publicado na última semana na revista Cladistics, a mais renomada para análises evolutivas dos seres vivos.

Muitos dos estudos dos coronavírus até então focavam em alguns poucos genes comuns entre as diferentes espécies e não incluíam, por exemplo, informações determinantes sobre qual o tipo de hospedeiro daquele vírus.

O estudo é inovador, além da amostragem ampla, em apresentar as principais anotações dos genomas, que é basicamente organizar em partes conhecidas e separáveis as diferentes sequências genéticas dos coronavírus. Para isso, foi implementada uma ferramenta especial para juntar e comparar essas anotações, desenvolvida pelo bioinformata. "É parecido com decidir qual casa alugar: você compara a localização de uma com a outra, mas não compara cor de uma com o número de quartos da outra. Localizações são comparáveis; cor e número de quartos são coisas diferentes", explica Machado.

"Sem genomas anotados, análises evolutivas ficam restritas ou a genomas muito semelhantes entre si, como apartamentos que estejam em um mesmo prédio, ou a certa característica que esses genomas tenham em comum e que seja mais fácil comparar, como preço entre os imóveis na nossa analogia das casas, e com isso podemos deixar passar informações importantes."

Para entender melhor como foi feito o estudo, os estudos de filogenia que buscam entender a história evolutiva de um grupo são feitos com um conjunto de dados (por exemplo, o genoma) de um determinado grupo ou conjunto de organismos (por exemplo, diferentes espécies de felinos). Dificilmente vamos tentar entender a origem e evolução do ser humano comparando nosso genoma com o de cavalos, por exemplo.

Nesse sentido, as pesquisas evolutivas publicadas até então, que haviam sido aceleradas devido à emergência sanitária, pecaram tanto no número de espécies incluídas quanto no uso de dados fracos, que não conseguiam explicar de maneira suficiente essa história, diz Machado.

"Uma dificuldade inevitável de se estudar a evolução de coronavírus é que pode haver a mistura de genes provenientes de indivíduos diferentes [recombinação gênica]. Felizmente, apenas uma parcela do genoma dos coronavírus é afetada por eventos de recombinação. Analisando mais genomas em um conjunto, conseguimos identificar esses eventos que causam ruído na análise. É como olhar uma pintura do Monet [Claude Monet, pintor impressionista]. De perto, as pinceladas separadas parecem uma mancha sem contorno; porém, ao se ampliar e olhar o todo, as pinceladas se organizam e criam a imagem", explica.

A análise feita por Machado e seus colegas, no entanto, incluiu mais de 2.000 genomas únicos de coronavírus de quatro gêneros diferentes da subfamília Orthocoronavirinae: Deltacoronavirus (DeltaCoV) e Gammacoronavirus (GammCoV), típicos de aves, e Alphacoronavirus (AlphaCoV) e Betacoronavirus (BetaCoV), que podem infectar os humanos.

Exemplos de betacoronavírus que infectam os humanos, além do Sars-CoV-2, são o Sars-CoV (responsável pela epidemia da Sars, entre 2002 e 2003) e o Mers-CoV (causador da síndrome respiratória do Oriente Médio), que passaram de morcegos para humanos; HCoV-4408 e HCoV-OC43 (de bovídeos para humanos) e o HCoV-HKU1 (de roedores para humanos). Já o alfacoronavírus HCoV-NL63 também partiu de morcegos para humanos.

Segundo o biólogo, dentre os coronavírus mais relevantes para a saúde humana, o estudo confirma que os morcegos foram fontes nos casos do Sars-CoV e Sars-CoV-2 e também tiveram papel fundamental na origem do Mers-CoV. "Houve vários eventos de transmissão entre dromedários e humanos quase imediatamente depois da infecção desses animais por coronavírus de morcegos", explica.

O papel de hospedeiros intermediários na pesquisa também foi avaliado. "Nosso argumento é de que nada indica a necessidade de um hospedeiro intermediário [para o Sars-CoV-2], pois está claro que a infecção de outros mamíferos, como civetas [espécie de mustelídeo] e visons, ocorreu depois da infecção original em humanos, o que ilustra a capacidade dos coronavírus de migrarem entre mamíferos de espécies diferentes", diz.

A conclusão da pesquisa traz uma mensagem importante: novos eventos de transmissão de coronavírus de animais para humanos devem surgir em um futuro próximo, sem ser possível prever quando será. "É imprescindível investir em pesquisa [de forma] contínua para catalogar e descrever a diversidade de vírus na natureza com potencial para infectar humanos, e isso depende não só de um sistema de vigilância mas também de investimento em ciência."

"Essas pesquisas são de difícil financiamento e frequentemente negligenciadas até que, por exemplo, um novo patógeno surge de uma fonte natural até então considerada de baixa importância. Quando falamos em esforços globais para monitoramento de doenças emergentes, falamos também em criar pontes que cruzem o abismo entre a pesquisa básica e a pesquisa aplicada.", afirma.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos