Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.188,23
    -2.601,10 (-2,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.347,85
    -1.116,18 (-2,17%)
     
  • PETROLEO CRU

    109,34
    -3,06 (-2,72%)
     
  • OURO

    1.814,70
    -4,20 (-0,23%)
     
  • BTC-USD

    29.306,94
    -801,72 (-2,66%)
     
  • CMC Crypto 200

    655,85
    -14,83 (-2,21%)
     
  • S&P500

    3.924,18
    -164,67 (-4,03%)
     
  • DOW JONES

    31.493,56
    -1.161,03 (-3,56%)
     
  • FTSE

    7.438,09
    -80,26 (-1,07%)
     
  • HANG SENG

    20.644,28
    +41,76 (+0,20%)
     
  • NIKKEI

    26.911,20
    +251,45 (+0,94%)
     
  • NASDAQ

    11.941,25
    -619,00 (-4,93%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2116
    +0,0012 (+0,02%)
     

Maior economia da América Latina, Brasil é o país que menos crescerá em 2022

Brasil terá o menor crescimento entre todos países da América Latina
Brasil terá o menor crescimento entre todos países da América Latina
  • Novo relatório da Cepal reduziu perspectiva de crescimento do país para 0,4%;

  • País está abaixo de economias mais críticas, como o Haiti (0,6%);

  • Vizinha Venezuela verá um crescimento de 5%, Colômbia de 4,8% e, Uruguai de 3,9% e Bolívia de 3,5%.

Em novo relatório, a Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (Cepal), órgão vinculado à Organização das Nações Unidas, reduziu a previsão de crescimento da América Latina para 2022. Ao todo, o continente deverá apresentar um crescimento de 1,8%, ao invés dos 2,2% reportado anteriormente.

O motivo principal da queda da expectativa é o conflito bélico entre a Rússia e a Ucrânia, que aumentaram os níveis de incertezas na economia mundial, afetando negativamente o planeta como um todo. Por conta disso, a níveis regionais a queda no crescimento será acompanhada de uma maior inflação e desaceleração nas taxas de emprego.

O crescimento de 1,8%, no entanto, não é dividido igualmente entre todos os países do bloco. A América do Sul irá apresentar um crescimento abaixo da média, de 1,5%, enquanto as economias da América Central mais o México devem crescer 2,3%. Por fim, os países do Caribe (com exceção da Guiana) irão crescer 4,7%, segundo a organização.

Brasil é o país com pior projeção de crescimento

Um dos principais destaques do estudo da Cepal é o Brasil. O país é a maior economia da América Latina, mas apresenta o menor crescimento entre todas as nações, de apenas 0,4%. Com isso, o país figura na lista dos menores crescimentos do continente, atrás do Haiti, com 0,6%, e do Paraguai, com 0,7%.

Segundo a Cepal, os países cujas economias mais crescerão neste ano são Panamá (6,3%), República Dominicana (5,3%), Venezuela (5%), Colômbia (4,8%), Guatemala (4,2%), Honduras (4,1% ) Uruguai (3,9%), Costa Rica (3,7%) e Bolívia (3,5%).

Já os países no meio da tabela, ou seja, que apresentam um crescimento mediano são Cuba (3,4%), El Salvador (3%), Argentina (3%), Equador (2,7%), Peru (2,5%), Nicarágua (2,5%), México (1,7%) e Chile (1,5%).

Em seu relatório, a Cepal não explicitou as razões que determinaram os números individuais de cada país, mas focou no movimento do continente como um todo. Além da disrupção econômica provocada pelo conflito armado na Europa, que causou um aumento no preço de produtos básicos, a organização também destacou o ajuste monetário nos países desenvolvidos que "acentuou o endurecimento das condições financeiras globais".

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos