Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.441,03
    -634,97 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,16 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,78
    -0,13 (-0,18%)
     
  • OURO

    1.879,50
    -0,10 (-0,01%)
     
  • BTC-USD

    37.680,03
    +1.922,80 (+5,38%)
     
  • CMC Crypto 200

    924,19
    -17,62 (-1,87%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,40 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.134,06
    +45,88 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,23 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    28.948,73
    -9,87 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    13.992,75
    -1,50 (-0,01%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1926
    +0,0391 (+0,64%)
     

Maior banco digital da Europa se prepara para enfrentar Nubank no Brasil

Foto: Thomas Trutschel/Photothek via Getty Images
Foto: Thomas Trutschel/Photothek via Getty Images

O banco digital N26 é conhecido como a maior fintech da Europa, mas não está satisfeito em ficar só no Velho Continente. Com atuação em 24 países da zona do euro, a startup fundada em 2013 já prepara sua chegada ao Brasil.

SIGA O YAHOO FINANÇAS NO INSTAGRAM

Por aqui, os alemães do N26 terão de enfrentar a concorrência de um mercado em ebulição - o de bancos totalmente online e de serviços financeiros digitais e sem taxas. Segmento do qual o Nubank é líder há alguns anos.

Leia também

A concorrência, porém, não assusta. "Sabemos que transformar um mercado tradicional como o bancário requer muita energia e trabalho árduo", diz Eduardo Prota, diretor geral da incipiente operação do N26 no Brasil, em entrevista por e-mail ao Yahoo! Finanças.

"Portanto, respeitamos o esforço e reconhecemos o mérito de todos os bancos digitais que atuam no mercado brasileiro, que construíram o segmento no país."

A concorrência madura e experiente de fintechs como Nubank, Inter, Neon e tantos outros, para Prota, pode acabar sendo um dos trunfos do banco digital alemão em sua chegada ao Brasil, e não uma desvantagem.

Segundo o executivo, um dos motivos que os fizeram escolher o Brasil como seu primeiro destino fora da Europa é, justamente, o fato de que a população brasileira já é "iniciada" em mobile banking.

Além disso, a startup acredita ter encontrado aqui os mesmos problemas que motivam seu sucesso na Europa, "como os custos abusivos, a falta de transparência e uma experiência que deixa muito a desejar no sistema bancário tradicional", diz o executivo.

Na Europa, o N26 oferece cinco tipos de contas diferentes: três opções pessoais (N26, N26 You e N26 Metal) e duas corporativas (Business e Business You). A diferença fica no preço e nos recursos disponíveis.

  • N26: cartão de crédito gratuito e saques gratuitos em euro;

  • N26 You: € 9,90 por mês, com seguro para o cartão, descontos em compras e saques disponíveis em mais países;

  • N26 Metal: € 16,90 por mês, com mais descontos e "experiências exclusivas";

  • N26 Business: cartão de crédito grátis com 0,1% de cashback e saques ilimitados em euros;

  • N26 Business You: € 9,90 por mês com seguro para o cartão e saques sem taxa em qualquer moeda.

Por enquanto, porém, a operação do N26 no Brasil ainda está em fase de planejamento. A empresa não definiu qual ou quais dos serviços oferecidos na Europa será lançado por aqui, nem confirma o modelo de negócios preparado para o País.

"Estamos estudando em profundidade os diferentes modelos para operar no Brasil e suas implicações - desde a parceria com algum banco local até as licenças que a regulamentação mais recente do Banco Central permite", diz Prota.

A empresa diz que está realizando pesquisas para entender qual produto funciona melhor para o consumidor brasileiro. Quase 100% da equipe que vai trabalhar no Brasil, dez pessoas, já foi contratada, mas ainda está alocada em um coworking (escritório dividido com outras startups) em São Paulo.

O que permanece em segredo é a previsão de lançamento no Brasil. "A timeline do projeto pode ser impactada por decisões que ainda estão sendo tomadas. Comunicaremos o mercado dos próximos passos quando fecharmos algumas das frentes em discussão no momento", afirma Prota.