Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.221,19 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,64 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,66
    -1,87 (-2,94%)
     
  • OURO

    1.733,00
    -42,40 (-2,39%)
     
  • BTC-USD

    46.538,20
    -460,80 (-0,98%)
     
  • CMC Crypto 200

    912,88
    -20,25 (-2,17%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,64 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    28.980,21
    -1.093,96 (-3,64%)
     
  • NIKKEI

    28.966,01
    -1.202,26 (-3,99%)
     
  • NASDAQ

    12.905,75
    +74,00 (+0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7583
    +0,0194 (+0,29%)
     

Maior banco da Argentina diz que inflação deve afetar retornos

Ignacio Olivera Doll e Scott Squires
·1 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Os bancos da Argentina tiveram um 2020 difícil, e a maior instituição financeira do país diz que o setor corre risco de repetir o desempenho.

Embora empréstimos inadimplentes e regulamentações do governo tenham sido os principais culpados pela crise no ano passado, o avanço da inflação será incluído na lista deste ano, de acordo com Fabián Kon, diretor-presidente do Banco Galicia, o maior da Argentina em valor de mercado.

“Se a inflação for alta, há o risco de que os resultados dos bancos caiam para níveis muito baixos ou negativos em termos reais”, disse Kon em entrevista de sua casa em Buenos Aires.

A expectativa é exatamente esta: a inflação na Argentina foi de 36% em 2020 e o Banco Galicia prevê que o índice avance para cerca de 40% neste ano. Isso aumentará os problemas para uma economia abalada por uma recessão agora em seu terceiro ano, o que pode elevar a inadimplência e reduzir a demanda por novos empréstimos. Ao mesmo tempo, extensas regulamentações bancárias têm reduzido as margens de lucro.

A carteira de crédito do Banco Galicia está concentrada no setor de consumo, com destaque para cartões de crédito e crédito pessoal. O desafio de Kon será sustentar a rentabilidade, mesmo que as regulamentações do governo minem esses negócios.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.