Mercado fechará em 2 h 59 min
  • BOVESPA

    101.202,92
    -56,83 (-0,06%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.346,69
    -361,03 (-0,93%)
     
  • PETROLEO CRU

    38,72
    -1,13 (-2,84%)
     
  • OURO

    1.907,10
    +1,90 (+0,10%)
     
  • BTC-USD

    12.993,19
    -83,83 (-0,64%)
     
  • CMC Crypto 200

    259,50
    -3,92 (-1,49%)
     
  • S&P500

    3.394,22
    -71,17 (-2,05%)
     
  • DOW JONES

    27.618,95
    -716,62 (-2,53%)
     
  • FTSE

    5.815,45
    -44,83 (-0,76%)
     
  • HANG SENG

    24.918,78
    +132,68 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    23.494,34
    -22,25 (-0,09%)
     
  • NASDAQ

    11.488,75
    -174,75 (-1,50%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6331
    -0,0308 (-0,46%)
     

Maia: impossível votar orçamento se PEC emergencial não estiver aprovada

Marcelo Ribeiro
·1 minuto de leitura

O parlamentar vem defendendo que a PEC emergencial é a prioridade número um da agenda legislativa O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), voltou a defender hoje a aprovação da proposta de emenda constitucional (PEC) emergencial e disse que atraso da análise do texto pode inviabilizar a aprovação do Orçamento de 2021. “É impossível abrir o próximo ano ou aprovar um Orçamento para o próximo ano antes de aprovar a PEC emergencial, a PEC da regulamentação do teto. É impossível. Do meu ponto de vista, é impossível você ter o orçamento aprovado para 2021 este ano se a emenda constitucional não estiver aprovada. Do meu ponto de vista, é um risco muito grande para o governo”, disse Maia em evento organizado pelo banco BMG. O parlamentar vem defendendo que a PEC emergencial é a prioridade número um da agenda legislativa. Em suas contas, a PEC emergencial pode ser aprovada no Senado na quinzena seguinte ao primeiro turno das eleições municipais. Neste cenário otimista, ele acredita que é possível votar o texto na Câmara entre o Natal e ano novo. Sobre a prioridade número dois, a reforma tributária, Maia afirmou que votação está “mais próxima do que muitos imaginam”. “Se for depois do segundo turno, vai obrigar o Parlamento a fazer uma autoconvocação para trabalhar em janeiro”. Ao ser indagado sobre a agenda legislativa, Maia comentou ser possível votar rapidamente o projeto de lei cambial e que a lei de cabotagem é mais complexa, mas pode ser votada ainda neste ano. FramePhoto/Agência O Globo