Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.221,19 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,64 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,66
    -1,87 (-2,94%)
     
  • OURO

    1.733,00
    -42,40 (-2,39%)
     
  • BTC-USD

    47.048,11
    +770,38 (+1,66%)
     
  • CMC Crypto 200

    912,88
    -20,25 (-2,17%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,64 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    28.980,21
    -1.093,96 (-3,64%)
     
  • NIKKEI

    28.966,01
    -1.202,26 (-3,99%)
     
  • NASDAQ

    12.905,75
    +74,00 (+0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7577
    +0,0188 (+0,28%)
     

A magnetosfera da Terra pode ajudar a "abastecer" a Lua com água

Danielle Cassita
·2 minuto de leitura

No ano passado, a NASA revelou haver grandes reservas de água congelada na Lua, mesmo em áreas a luz solar incide diretamente. Entender os processos por trás da ocorrência da água em nosso satélite natural é essencial para entendermos o histórico dela, mas, mesmo com tantos avanços nos estudos do assunto, há grandes questões que continuam sem resposta: ainda não sabemos qual é a extensão da água na Lua, tampouco de onde ela veio.

Na verdade, a água vem se mostrando mais presente no espaço do que os astrônomos pensavam — tanto que é possível que tenha sido incorporada a cometas, asteroides e outros corpos durante a formação do Sistema Solar. No caso da Lua, existe a possibilidade de asteroides com água terem atingido sua superfície e levado a água desta forma, mas a teoria mais aceita propõe que a água se formou com íons de hidrogênio que, impulsionados pelo vento solar, foram para a superfície lunar e a formaram por meio de uma reação espontânea.

Conceito artístico da Lua sob a magnetosfera da Terra, com a ação do "vento terrestre" em azul e cinza (Imagem: Reprodução/E. Masongsong, UCLA EPSS, NASA GSFC SVS)
Conceito artístico da Lua sob a magnetosfera da Terra, com a ação do "vento terrestre" em azul e cinza (Imagem: Reprodução/E. Masongsong, UCLA EPSS, NASA GSFC SVS)

O problema aqui é que os modelos preveem que metade dessa água deveria evaporar e desaparecer das regiões de alta latitude durante o período da Lua cheia, justamente quando ela está passando pela magnetosfera terrestre. Neste período, haveria uma espécie de escudo da magnetosfera que bloquearia o contato com o vento solar e iria impedir que a água se “regenerasse”. Entretanto, uma análise recente dos mapas produzidos pelo satélite Moon Mineralogy Mapper (M3), da missão indiana Chandrayaan-1, revelou que a água não desaparece durante esse período — e a "culpa" pode ser da magnetosfera terrestre.

Os pesquisadores compararam mapas da água na superfície lunar antes, durante e depois do trânsito do nosso satélite natural, e perceberam que esse reabastecimento ocorreria não com a ação do vento solar, mas sim com o fluxo de íons da magnetosfera do nosso planeta, ou seja, com o “vento da Terra” — tanto que a sonda Kaguya, da agência espacial japonesa JAXA, já confirmou a presença destes íons perto da Lua.

Assim, a identificação mais recente da água feita no estudo sugere, na verdade, que a própria magnetosfera da Terra seja capaz de criar uma espécie de “ponte de água”, que estaria reforçando o abastecimento por lá. Essas descobertas podem ajudar os cientistas a entender melhor a evolução do Sistema Solar e, quem sabe, o que levou a água para outros mundos da nossa vizinhança. Além disso, a pesquisa tem potencial para influenciar missões futuras, ajudando a proteger humanos e satélites dos efeitos causados por partículas radioativas.

O artigo com os resultados do estudo foi publicado na revista Astrophysical Journal Letters, e pode ser acessado no repositório online arXiv.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: