Mercado fechará em 13 mins
  • BOVESPA

    100.975,71
    +435,88 (+0,43%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.764,24
    +562,43 (+1,47%)
     
  • PETROLEO CRU

    40,07
    -1,63 (-3,91%)
     
  • OURO

    1.928,40
    +13,00 (+0,68%)
     
  • BTC-USD

    12.767,56
    +1.710,55 (+15,47%)
     
  • CMC Crypto 200

    255,65
    +10,76 (+4,39%)
     
  • S&P500

    3.455,49
    +12,37 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    28.343,74
    +34,95 (+0,12%)
     
  • FTSE

    5.776,50
    -112,72 (-1,91%)
     
  • HANG SENG

    24.754,42
    +184,88 (+0,75%)
     
  • NIKKEI

    23.639,46
    +72,42 (+0,31%)
     
  • NASDAQ

    11.723,50
    +62,75 (+0,54%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6519
    +0,0255 (+0,38%)
     

Magnata financeiro de 32 anos emerge em obscuro mercado de ações

Alexander Sazonov, Nariman Gizitdinov e Tom Maloney
·3 minutos de leitura

(Bloomberg) -- A pacata corretora de Timur Turlov costumava contar com apenas duas dúzias de investidores de curto prazo para a maior parte de seu volume.

Agora, com a forte demanda por ações de investidores de varejo, a Freedom Holding Corp. está em expansão e Turlov, de 32 anos, é bilionário.

É uma das fortunas globais mais improváveis. A empresa de Turlov tem sede em Nevada, mas seu escritório principal está em Almaty, no Cazaquistão, onde atende a cazaques e russos em busca da próxima oferta pública inicial de sucesso do Vale do Silício. A receita com comissões aumentou 51 vezes desde 2016, e dezenas de milhares de novos clientes chegaram.

“A volatilidade trouxe um grande número de pessoas ao mercado”, disse Turlov durante entrevista por Zoom em agosto, acrescentando que seu patrimônio pessoal é apenas “um número formal” e que está feliz com o crescimento da receita da empresa. “O setor de corretagem está em alta.”

Turlov, nascido em Moscou, possui participação de 73% na Freedom, que agora vale US$ 1 bilhão depois que as ações da empresa listada nos Estados Unidos subiram 64% neste ano. É outro sinal de como a pandemia global despertou exércitos dos chamados “day traders” que buscam capitalizar as fortes oscilações dos mercados acionários - principalmente para cima - em todos os cantos do mundo.

O entusiasmo do mercado criou grandes quantidades de riqueza e produziu novos bilionários no setor de corretagem. Mas também levantou preocupações de que as ações subiram demais. Nos EUA, investidores de varejo que usam o aplicativo de trading Robinhood Financial acumularam ações de tecnologia, o que aumentou temores de valuations inflados.

Day traders

Há cerca de seis anos, pelo menos 80% do volume da Freedom vinha de um pequeno número de day traders. A empresa agora está entre as 10 maiores corretoras da Rússia e é a maior do Cazaquistão, com 152 mil clientes até junho em relação a 46 mil em março de 2018. O lucro líquido mais do que triplicou, para US$ 22 milhões no ano encerrado em 31 de março, e a receita subiu 64%, para US$ 122 milhões.

A ascensão de Turlov começou de fato em 2013, quando comprou uma pequena empresa de investimentos em Almaty, a maior cidade do Cazaquistão, e a incorporou à Freedom Finance IC, corretora russa que fundou no auge da crise financeira de 2008. Em 2015, Turlov adquiriu a BMB Munai Inc., empresa de petróleo e gás do Cazaquistão listada nos EUA, que passou a se chamar Freedom Holding Corp. e incorporou seus ativos de corretagem no Cazaquistão e na Rússia.

A Freedom tem subsidiárias na Ucrânia, Uzbequistão, Quirguistão, Alemanha e Chipre, de acordo com uma apresentação. A empresa pode negociar ações dos EUA, mas não é regulamentada como corretora americana, pois não tem licença para operar no país. Os pedidos de seus clientes são encaminhados por meio de terceiros.

A corretora não descarta a possibilidade de listagem na Bolsa de Valores de Moscou após adquirir em julho uma das corretoras mais antigas da Rússia, a Zerich Capital Management, e o Kassa Nova Bank, do Cazaquistão, em agosto. A Freedom abriu escritório em Berlim e pode considerar a compra de uma corretora nos EUA para melhorar sua infraestrutura, disse Turlov.

“Entendemos que haverá consolidação no mercado e, provavelmente, tentaremos fazer parte disso”, disse Turlov, acrescentando que não pretende vender suas ações em um futuro próximo. “Espero que sejamos capazes de expandir nossa geografia com precisão e eficácia.”

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.