Mercado fechado

Magalu aceitará apenas candidatos negros no próximo programa de trainee

O Globo
·2 minutos de leitura
Centro de distribuição do Magazine Luiza.
Centro de distribuição do Magazine Luiza.

RIO - O Magalu abriu na sexta-feira inscrições para seu programa de trainees para 2021. Com uma diferença em relação aos anteriores: a edição deste ano aceitará apenas candidatos negros.

O objetivo, segundo a empresa, é trazer mais diversidade racial para os cargos de liderança da companhia, recrutando universitários e recém-formados de todo Brasil.

Serão aceitos candidatos formados entre dezembro de 2017 e dezembro de 2020, em qualquer curso superior. Não será preciso ter experiência profissional anterior, nem saber inglês, de acordo com a companhia.

O salário será de R$ 6,6 mil, com benefícios como plano de saúde e dental. Parte do trabalho será feito em home office, e haverá bolsas para estudo de inglês.

Candidatos de todo o Brasil poderão participar, desde que tenham disponibilidade para se mudar para São Paulo. Caso o selecionado seja de fora da cidade, receberá um auxílio-mudança, informou o Magalu.

A medida ocorre em um cenário em que cada vez mais empresas se preocupam com a diversidade de seu quadro de funcionários.

“O Magazine Luiza acredita que uma empresa diversa é uma empresa melhor e mais competitiva”, disse em comunicado Patrícia Pugas, diretora executiva de Gestão de Pessoas. "Queremos desenvolver talentos negros, atuar contra o racismo estrutural e ajudar a combater desigualdade brasileira.”

O processo seletivo será dividido em seis etapas. A seleção começará com testes on-line, seguida da gravação de um vídeo de apresentação profissional e por entrevistas com o departamento de Recursos Humanos.

Os finalistas participarão de uma conversa com Frederico Trajano, CEO da empresa.

Atualmente, o Magalu tem em seu quadro de funcionários 53% de negros e pardos. Mas apenas 16% deles ocupam cargos de liderança.

O programa de trainees para 2021 foi criado em parceria com as consultorias Indique Uma Preta e Goldenberg, Instituto Identidades do Brasil (ID_BR), Faculdade Zumbi dos Palmares e Comitê de Igualdade Racial do Mulheres do Brasil -- todos dedicados ao combate ao racismo e à inclusão.