Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.439,37
    -2.354,91 (-2,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.307,71
    -884,62 (-1,69%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,96
    -0,65 (-0,90%)
     
  • OURO

    1.753,90
    -2,80 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    47.971,58
    -443,46 (-0,92%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.193,48
    -32,05 (-2,62%)
     
  • S&P500

    4.432,99
    -40,76 (-0,91%)
     
  • DOW JONES

    34.584,88
    -166,44 (-0,48%)
     
  • FTSE

    6.963,64
    -63,84 (-0,91%)
     
  • HANG SENG

    24.920,76
    +252,91 (+1,03%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,71 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.282,75
    -226,75 (-1,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1994
    +0,0146 (+0,24%)
     

Maersk aposta US$ 1,4 bi em navios de combustível verde

·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- A maior transportadora mundial de contêineres marítimos está investindo US$ 1,4 bilhão em uma frota mais verde.

A AP Moller - Maersk encomendou oito novos navios, cada um ao custo de US$ 175 milhões, que serão entregues a partir de 2024. As embarcações podem ser abastecidas com metanol limpo em vez de combustível à base de petróleo.

“Não queremos mais combustíveis fósseis”, disse Morten Bo Christiansen, diretor de descarbonização da companhia. “Muitos de nossos clientes estão dando bastante apoio a isso.”

O transporte marítimo é a espinha dorsal do comércio global, responsável por quase 3% das emissões de dióxido de carbono pela ação humana. Esse percentual foi aumentando nos últimos anos, segundo dados da Organização Marítima Internacional (IMO, na sigla em inglês). Em 2050, essa agência ligada à Organização das Nações Unidas (ONU) quer que as emissões totais pelo transporte marítimo caiam pelo menos à metade na comparação com 2008. No ano passado, entraram em vigor regras da IMO destinadas a restringir a poluição do ar ao limitar o teor de enxofre do combustível marítimo.

A Maersk não é a única transportadora que iniciou a transição. A proprietária de petroleiros Euronav encomendou novos navios que um dia serão capazes de navegar com amônia ou gás natural liquefeito.

A trading de commodities Cargill planeja instalar velas especiais em algumas embarcações.

Em fevereiro, a Maersk avisou que todos os seus navios a serem construídos poderão usar combustíveis neutros em carbono.

A companhia também anunciou o lançamento em 2023 de um pequeno navio de contêineres capaz de navegar com versões limpas de metanol. Esta última encomenda é muito maior — cada navio pode transportar cerca de 16.000 contêineres.

“Este é um sinal firme para os produtores de combustível de que a demanda do mercado por combustíveis verdes no futuro chega com velocidade”, disse o CEO da Maersk, Soren Skou. Mais da metade dos 200 maiores clientes da empresa já definiu ou está prestes a definir metas de carbono zero ou baseadas em resultados científicos para suas cadeias de abastecimento.

Os novos navios, construídos pela Hyundai Heavy Industries, representam cerca de 3% da capacidade total de contêineres da Maersk. Eles vão substituir os navios mais antigos da frota da empresa, evitando a emissão de aproximadamente 1 milhão de toneladas de dióxido de carbono por ano. A Maersk tem opção de compra de mais quatro navios para entrega em 2025.

A companhia admite que será “desafiador” encontrar metanol carbono neutro em quantidade suficiente para abastecer os navios a partir do primeiro dia de operação. O custo adicional de design para a embarcação navegar com metanol e combustível marítimo com baixo teor de enxofre será equivalente a 10-15% do preço total do navio.

A Maersk planeja usar e-metanol carbono neutro ou biometanol o quanto antes nos novos navios.

More stories like this are available on bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos