Mercado abrirá em 8 h 3 min
  • BOVESPA

    108.095,53
    +537,86 (+0,50%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.056,27
    +137,99 (+0,27%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,05
    +0,69 (+0,95%)
     
  • OURO

    1.783,80
    -1,70 (-0,10%)
     
  • BTC-USD

    49.726,86
    -491,73 (-0,98%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.301,45
    -3,67 (-0,28%)
     
  • S&P500

    4.701,21
    +14,46 (+0,31%)
     
  • DOW JONES

    35.754,75
    +35,32 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.337,05
    -2,85 (-0,04%)
     
  • HANG SENG

    24.246,05
    +249,18 (+1,04%)
     
  • NIKKEI

    28.857,69
    -2,93 (-0,01%)
     
  • NASDAQ

    16.407,25
    +15,00 (+0,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2758
    +0,0017 (+0,03%)
     

Mãe perde guarda de filho na Justiça e alega discriminação por ser vegana

·2 min de leitura
Patrícia Garcia perdeu a guarda do filho e alegou discriminação por ser vegana

A Justiça do Paraná tirou de uma mãe a guarda do filho, de um ano e dois meses, por apresentar grave quadro de saúde e falta de vacinação. A mulher, Patrícia Garcia, alega ter sofrido discriminação por ser vegana e adepta da religião Hare Krishna.

De acordo com o portal G1, a decisão da Vara da Infância e Juventude de Foz do Iguaçu diz que a guarda do menino foi transferida ao pai, Julio Moreira, de forma provisória. A Justiça entendeu que a mãe, que cuidou sozinha do filho desde a gestação, foi negligente e que a criança corria riscos de saúde.

Patrícia, que nasceu no Paraguai, alega que não foi ouvida para poder se defender e provar que não foi negligente. Por isso, fez um abaixo-assinado online que, até a última sexta-feira (18), contava com mais de 90,6 mil assinaturas. A defesa da mãe entrou com recurso no Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR) e aguarda que a decisão liminar do processo seja revertida.

Relatórios apresentados à Justiça apontaram que a mãe proibia a criança de consumir alimentos com proteína animal. Também não concordava com a aplicação de vacinas por questões pessoais e porque algumas eram de origem animal. A advogada da mulher explicou que o calendário de imunização estava desatualizado por recomendação médica, pois o menino apresentou alergias.

Segundo a defesa, Patrícia diz ter sofrido violência doméstica durante o casamento e, por isso, tem uma medida protetiva vigente contra o ex-marido, que podia ver o filho com permissão da mãe. O processo de transferência de guarda teve início após o processo de separação e partilha de bens do casal.

Procurada pelo G1, a defesa do pai não quis se manifestar sobre o caso de violência.

A Secretaria de Direitos Humanos de Foz do Iguaçu emitiu uma declaração dizendo que Patrícia teve o direito à maternidade violado após o filho, em fase de amamentação, ser entregue ao pai.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos