Mercado fechará em 1 h 38 min
  • BOVESPA

    128.117,05
    -1.147,91 (-0,89%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.067,16
    -248,53 (-0,49%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,09
    -0,57 (-0,77%)
     
  • OURO

    1.777,90
    -5,00 (-0,28%)
     
  • BTC-USD

    32.716,84
    +195,27 (+0,60%)
     
  • CMC Crypto 200

    778,48
    -15,85 (-2,00%)
     
  • S&P500

    4.240,63
    +15,84 (+0,37%)
     
  • DOW JONES

    33.923,25
    +46,28 (+0,14%)
     
  • FTSE

    7.090,01
    +27,72 (+0,39%)
     
  • HANG SENG

    28.309,76
    -179,24 (-0,63%)
     
  • NIKKEI

    28.884,13
    +873,20 (+3,12%)
     
  • NASDAQ

    14.218,25
    +88,25 (+0,62%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9535
    -0,0218 (-0,36%)
     

Maduro e governo dos EUA enviam sinais de possível trégua

·3 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Depois de anos de crescentes hostilidades, a relação entre Estados Unidos e Venezuela está sob revisão silenciosa, com medidas conciliatórias por parte do governo de Caracas, autoridades dos EUA atuando como intermediárias e reavaliação da política de sanções pelo governo Biden.

Nas últimas três semanas, o presidente venezuelano, Nicolás Maduro, aceitou ajuda alimentar internacional rejeitada por muito tempo, permitiu que seis executivos da Citgo fossem transferidos para prisão domiciliar e incluiu dois integrantes da oposição ao conselho eleitoral de cinco membros do país.

Nenhuma das medidas foi adotada em coordenação com o governo de Washington e muitas coisas teriam que acontecer antes que os dois lados pudessem iniciar negociações. Mas autoridades americanas com bom acesso ao governo têm falado com Maduro e seu círculo íntimo. Entre elas o presidente do Comitê de Relações Exteriores da Câmara dos Deputados, Gregory Meeks, o ex-governador do Novo México Bill Richardson, e o diretor do Programa Mundial de Alimentos, David Beasley.

A postura do governo Biden continua sendo a perseguida por Donald Trump: rejeição de Maduro e apoio a Juan Guaidó, o líder da oposição, como legítimo presidente do país.

No entanto, uma autoridade do governo Biden disse que os EUA estão revisando sua política para a Venezuela, examinando as sanções para se certificar de que estão alinhadas com seus objetivos e aguardando medidas concretas de Maduro.

A autoridade disse que o regime de Maduro deveria conversar com a oposição para estabelecer eleições livres e justas. Sobre os contatos com americanos, a fonte acrescentou que estão sendo acompanhados muito de perto.

“Estes são passos importantes”, disse Cynthia Arnson, chefe do Programa para a América Latina no Wilson Center, em Washington. “Está claro que estão buscando alívio das sanções e que o governo Biden está desconfortável com a severidade da política de sanções. Mas existe uma profunda desconfiança no conceito de negociações, e as pessoas não estão dispostas a se queimar novamente na ausência de evidências reais de concessões no terreno político.”

Meeks, um democrata de Nova York, pediu ao governo que reconheça os passos de Maduro.

“O governo Biden deve enviar sinais claros a Caracas que reconheçam esses gestos positivos e incentivem mais avanços em direção à democracia”, disse em comunicado na semana passada. “Estou comprometido em explorar soluções multilaterais.”

O escritório de Richardson disse que o ex-governador do Novo México tem mantido “contato regular” com a vice-presidente venezuelana, Delcy Rodríguez, e com o presidente da Assembleia Nacional, Jorge Rodríguez, sobre os executivos da Citgo presos, bem como dois ex-Boinas Verdes americanos atualmente detidos em Caracas.

A presidência da Venezuela não respondeu a um pedido de comentário.

Embora o governo Biden ainda apoie Guaidó, seu fracasso em destituir Maduro, mais de dois anos depois de ser declarado presidente interino, estimulou a comunicação entre os EUA e o regime no poder.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos