Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.249,73
    +1.405,98 (+1,29%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.828,13
    +270,48 (+0,53%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,51
    -0,05 (-0,07%)
     
  • OURO

    1.774,90
    -3,30 (-0,19%)
     
  • BTC-USD

    40.792,19
    -2.294,73 (-5,33%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.016,33
    -47,52 (-4,47%)
     
  • S&P500

    4.354,19
    -3,54 (-0,08%)
     
  • DOW JONES

    33.919,84
    -50,63 (-0,15%)
     
  • FTSE

    6.980,98
    +77,07 (+1,12%)
     
  • HANG SENG

    24.221,54
    +122,40 (+0,51%)
     
  • NIKKEI

    29.839,71
    -660,34 (-2,17%)
     
  • NASDAQ

    14.993,00
    -31,00 (-0,21%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1788
    -0,0659 (-1,06%)
     

Maduro diz que negociação com oposição começa em agosto no México; EUA pode participar

·2 minuto de leitura
O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, fala durante ato de entrega do prêmio nacional de jornalismo em 28 de junho de 2021 em Caracas

O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, disse neste sábado (24) que espera a instalação em agosto de uma mesa de negociação com a oposição no México, com a Noruega como mediadora e da qual "possivelmente" participará o governo dos Estados Unidos.

"Já temos pré-conversada uma agenda complexa, difícil, e chegamos a um acordo sobre as bases do início do diálogo e espero que poder instalar no início do mês de agosto no México" essa mesa "com a ajuda do governo da Noruega e possivelmente a participação de governos do mundo (...) entre eles os Estados Unidos", destacou o presidente em entrevista ao canal Telesur.

O presidente já expressou em outras oportunidades a disposição em dialogar com a oposição liderada por Juan Guaidó, a quem mais de 50 países consideram o presidente encarregado do país, após não reconhecer a reeleição de Maduro em 2018, que consideram fraudulenta.

Maduro tinha condicionado sua participação à suspensão de sanções econômicas, que incluem um embargo ao petróleo venezuelano, que lhe fecharam as vias de financiamento em meio a uma dura crise econômica.

"Estamos perto já, eu diria: de 1 a 10 poderíamos dizer que chegamos a 9 e nos próximos dias, nestas negociações, que até agora são secretas, de que participa o governo da Noruega, se chegue a um acordo definitivo", destacou o presidente.

Guaidó também disse estar pronto para dialogar com o governo. Ele exige um cronograma de eleições que inclua eleições presidenciais em troca de uma "suspensão progressiva" das sanções.

Os Estados Unidos e a União Europeia já expressaram sua disposição em revisar as medidas coercitivas se avançarem as discussões em prol de eleições "confiáveis".

A Venezuela se prepara precisamente para celebrar eleições de prefeitos e governadores em 21 de novembro, que Maduro se comprometeu a respeitar, buscando recuperar reconhecimento internacional.

Dividida, a oposição, que boicotou as eleições presidenciais de 2018 e as legislativas de 2020, enfrenta o dilema de participar ou não.

A última vez que governo e oposição dialogaram em uma mesa de negociações foi em Barbados em 2019, auspiciados também pela Noruega. Estes diálogos terminaram sem acordos.

Estes novos diálogos são preparados, ainda, após a prisão do ex-deputado Freddy Guevara, muito próximo de Guaidó, acusado de terrorismo e traição à pátria.

jt/gm/mvv

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos