Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.925,60
    -1.560,41 (-1,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.457,55
    -227,31 (-0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,48
    +0,26 (+0,32%)
     
  • OURO

    1.817,80
    +2,60 (+0,14%)
     
  • BTC-USD

    16.956,29
    -217,51 (-1,27%)
     
  • CMC Crypto 200

    401,44
    -4,71 (-1,16%)
     
  • S&P500

    4.076,57
    -3,54 (-0,09%)
     
  • DOW JONES

    34.395,01
    -194,76 (-0,56%)
     
  • FTSE

    7.558,49
    -14,56 (-0,19%)
     
  • HANG SENG

    18.736,44
    +139,21 (+0,75%)
     
  • NIKKEI

    28.226,08
    +257,09 (+0,92%)
     
  • NASDAQ

    12.035,75
    -27,00 (-0,22%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4701
    +0,0736 (+1,36%)
     

Maduro busca legitimidade internacional em aparição na COP27

(Bloomberg) -- Por anos, Nicolás Maduro se limitou aos confins do palácio presidencial em Caracas enquanto os EUA o isolavam no exterior. Esta semana, porém, ele percorreu a cúpula climática da ONU no Egito, aproximando-se sorridente de presidentes e posando para fotos.

Ele trocou palavras cordiais com o presidente francês Emmanuel Macron, apertou a mão do enviado dos EUA, John Kerry, e se juntou a outros líderes mundiais para uma foto em grupo. Embora o Departamento de Estado dos EUA tenha dito que o encontro com Kerry não foi planejado e que Maduro abordou outros líderes no evento, o aparato de mídia estatal da Venezuela foi rápido em transmitir as imagens.

Até pouco tempo, ele era persona non grata nos círculos internacionais, após os EUA e dezenas de outras nações cortarem laços com seu governo e apoiarem seus oponentes. Maduro agora usa as imagens para projetar um ar de legitimidade no cenário diplomático e de normalidade em casa.

“A foto é uma coisa fundamental para Miraflores”, disse Felix Arellano, professor de relações internacionais da Universidade Central da Venezuela, referindo-se ao palácio presidencial em Caracas.

Caracas pode usar as fotos, disse Arellano, para transmitir uma imagem de aceitação mundial de Maduro, mesmo que a Venezuela não tenha intenção de abrir mão de sua agenda política e ideológica e seguir as regras das organizações internacionais.

Atualmente, Maduro, de 59 anos, está mais disposto a se aventurar fora de Caracas e enviar seus principais assessores a eventos internacionais.

A viagem ao Egito foi a primeira vez que ele participou de um evento patrocinado pela ONU desde 2018. No início deste ano, ele visitou alguns países do Oriente Médio e da Europa para fortalecer os laços com aliados. No mês passado, ele caminhou pelas ruas de uma pequena cidade na Venezuela que havia sido devastada por dias de inundações, abraçando moradores e prometendo reconstruir sua cidade.

Ele despachou um de seus principais deputados, o presidente da Assembleia Nacional Jorge Rodrigues, à França para participar do Fórum da Paz de Paris que começa sexta-feira. No passado, o governo de Macron, que organiza o fórum, havia chamado Maduro de ditador e apoiado o líder da oposição Juan Guaidó como líder interino do país.

--Com a colaboração de Andreina Itriago Acosta.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.