Mercado fechará em 1 h 37 min
  • BOVESPA

    130.070,55
    -137,41 (-0,11%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.893,28
    -136,26 (-0,27%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,08
    +1,20 (+1,69%)
     
  • OURO

    1.858,70
    -7,20 (-0,39%)
     
  • BTC-USD

    41.246,97
    +1.124,41 (+2,80%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.022,97
    +12,36 (+1,22%)
     
  • S&P500

    4.249,26
    -5,89 (-0,14%)
     
  • DOW JONES

    34.323,50
    -70,25 (-0,20%)
     
  • FTSE

    7.172,48
    +25,80 (+0,36%)
     
  • HANG SENG

    28.638,53
    -203,60 (-0,71%)
     
  • NIKKEI

    29.441,30
    +279,50 (+0,96%)
     
  • NASDAQ

    14.032,00
    -92,75 (-0,66%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1262
    -0,0053 (-0,09%)
     

Made in Brazil: empresa cria papel capaz de inativar o coronavírus

·2 minuto de leitura

Recentemente, o Canaltech apresentou 5 itens do dia a dia que podem te proteger da COVID-19. E acabou de chegar mais um: papel. Acontece que a Nanox Tecnologia (em parceria com a Irani Papel e Embalagem) anunciou o primeiro papel antiviral, antibacteriano e antifúngico do país.

Esse tipo de papel é produzido por meio de micropartículas de prata, tornando-o capaz de inativar o novo coronavírus em caso de contato com superfície contaminada. Segundo a Nanox, o produto passou por diversos testes, e os ensaios comprovaram que o papel é capaz de inativar o coronavírus, apresentando uma eficácia de 99,9% em cinco minutos e de 99,99% para o contato de 10 minutos.

O papel que inativa a COVID-19 é produzido na mesma linha de fabricação dos demais produtos da fabricante, e durante o processo de produção, recebe as micropartículas de prata em sua composição, o que garante que a proteção seja efetiva durante todo o ciclo primário do produto, garantindo a capacidade de inativação, justamente pelo fato das micropartículas de prata estarem inseridas em sua estrutura.

(Imagem: HwangMangjoo/Rawpixel)
(Imagem: HwangMangjoo/Rawpixel)

O processo de inativação do coronavírus, assim como o de outros vírus, fungos e bactérias, ao ter contato com o papel, se dá a partir da reação das micropartículas de prata ao vírus. "Ele entra em contato com a prata e passa por um processo de oxidação, que ocasiona a quebra de sua membrana e faz sua inativação", explica Gustavo Simões, doutor em química e pesquisador.

O efeito antiviral no papel só pode ser prejudicado quando a camada em que é aplicado for, por exemplo, raspada ou quando for reciclada. No processo de reciclagem, o composto acaba sendo diluído com outros produtos e, assim, pode perder sua atuação como bactericida.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: