Mercado abrirá em 2 h 23 min
  • BOVESPA

    115.062,54
    -1.118,01 (-0,96%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.192,33
    +377,16 (+0,73%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,52
    -0,09 (-0,12%)
     
  • OURO

    1.779,60
    -15,20 (-0,85%)
     
  • BTC-USD

    47.776,82
    +284,76 (+0,60%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.227,50
    +30,28 (+2,53%)
     
  • S&P500

    4.480,70
    +37,65 (+0,85%)
     
  • DOW JONES

    34.814,39
    +236,82 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.048,70
    +32,21 (+0,46%)
     
  • HANG SENG

    24.667,85
    -365,36 (-1,46%)
     
  • NIKKEI

    30.323,34
    -188,37 (-0,62%)
     
  • NASDAQ

    15.470,75
    -33,25 (-0,21%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1446
    -0,0514 (-0,83%)
     

Macron diz que França continuará se opondo a acordo com Mercosul

·1 minuto de leitura
(Arquivo) O presidente da França, Emmanuel Macron (AFP/Ludovic MARIN)

O presidente francês, Emmanuel Macron, disse nesta sexta-feira que Paris manterá sua oposição ao acordo comercial entre a União Europeia (UE) e o Mercosul quando a França assumir a presidência rotativa do bloco, no começo de 2022.

A oposição do presidente francês continua se concentrando na proteção do clima e da biodiversidade. “A França é contra o Mercosul tal como é negociado hoje, e vamos continuar sendo, muito claramente. Não porque não nos sintamos confortáveis com nossos amigos do Mercosul, e sim porque, por definição, esse acordo, tal qual foi concebido e desenhado, não pode ser compatível com nossa agenda climática e de biodiversidade”, afirmou em Marselha, no Congresso Mundial da Natureza.

“Temos que reinventar nossas políticas comerciais, para que sejam coerentes com nossas políticas climáticas, com nossas políticas de biodiversidade. É uma necessidade”, assinalou Macron.

Concluído em junho de 2019, após 20 anos de negociações, o acordo de livre-comércio com os quatro países do Mercosul (Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai) gerou uma onda de críticas na Europa, principalmente por parte do setor agrícola e de ambientalistas.

O tratado foi negociado pela Comissão Europeia em nome dos países da UE, mas não será ratificado definitivamente até que o façam os parlamentos de todos os Estados-membros. Alguns países, como França e Alemanha, estão relutantes e questionam principalmente o compromisso do Brasil com o meio ambiente, sobretudo devido ao aumento dos incêndios na Amazônia.

leb-jri-cs/grd/els/fjb/pc/eg/lb

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos