Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.608,76
    -345,14 (-0,35%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.036,38
    +293,23 (+0,61%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,49
    +2,06 (+1,90%)
     
  • OURO

    1.810,10
    +8,60 (+0,48%)
     
  • BTC-USD

    20.228,88
    +938,37 (+4,86%)
     
  • CMC Crypto 200

    429,24
    +9,10 (+2,17%)
     
  • S&P500

    3.825,33
    +39,95 (+1,06%)
     
  • DOW JONES

    31.097,26
    +321,86 (+1,05%)
     
  • FTSE

    7.232,65
    +64,00 (+0,89%)
     
  • HANG SENG

    21.830,35
    -29,44 (-0,13%)
     
  • NIKKEI

    26.153,81
    +218,19 (+0,84%)
     
  • NASDAQ

    11.729,75
    +118,50 (+1,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5471
    -0,0069 (-0,12%)
     

Macron é criticado por responsabilizar opositores, e não a si mesmo, por revés em eleições

Os jornais franceses desta quinta-feira (23) analisam o discurso à nação que o presidente Emmanuel Macron fez na noite de ontem (22), três dias depois de perder a maioria parlamentar na Assembleia francesa. No pronunciamento, o líder jogou para os seus opositores a responsabilidade sobre o revés nas eleições legislativas.

Os editorialistas da grande imprensa nesta manhã não perdoam. Macron precisa “mudar tudo”, dispara o editorial do Figaro. O presidente “provou que não entendeu nada da mensagem que os eleitores enviaram nas urnas, de puni-lo severamente”, constata o Libération.

O editorial do Parisien nota que Macron ainda faz questão de se mostrar “nem vencido, nem abatido”, apesar de agora se ver obrigado a negociar com a oposição para aprovar qualquer medida no Parlamento. A coligação que apoia o Eliseu conta agora com 245 deputados, 44 a menos do que a maioria absoluta e amputada de mais de 100 nomes em relação à legislatura precedente. A união das esquerdas chegou a 131 cadeiras e a extrema direita obteve o resultado inédito de 89 assentos, 11 vezes a mais do que tinha.

“É preciso mudar de tom, antes de mais nada, mas também de espírito e de prática”, destaca o Figaro, antes de insistir para que Macron dissolva o atual gabinete, “da primeira-ministra aos secretários de Estado”, e assim prove que assume a sua parcela de responsabilidade no resultado da votação de domingo (19).


Leia mais

Leia também:
Macron perde maioria absoluta no 2° turno da eleição legislativa
França: extrema direita obtém resultado histórico em eleição legislativa e elege dezenas de deputados
Eleição legislativa: Macron reconhece divisões ‘profundas’ na França e se dispõe a negociar com todos os partidos

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos