Mercado fechará em 3 h 20 min
  • BOVESPA

    120.512,39
    +450,40 (+0,38%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.885,78
    +18,16 (+0,04%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,45
    +0,10 (+0,16%)
     
  • OURO

    1.781,60
    -11,50 (-0,64%)
     
  • BTC-USD

    54.940,01
    -1.015,41 (-1,81%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.289,20
    +46,15 (+3,71%)
     
  • S&P500

    4.178,02
    +4,60 (+0,11%)
     
  • DOW JONES

    34.115,01
    -22,30 (-0,07%)
     
  • FTSE

    6.938,24
    +42,95 (+0,62%)
     
  • HANG SENG

    28.755,34
    +133,42 (+0,47%)
     
  • NIKKEI

    29.188,17
    +679,62 (+2,38%)
     
  • NASDAQ

    13.930,00
    +10,75 (+0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6002
    -0,1018 (-1,52%)
     

Mercado legal de maconha já vale R$ 121 bilhões no mundo, mostra relatório

Redação Finanças
·2 minuto de leitura
Mercado legal de maconha já vale R$ 121 bilhões no mundo. Foto: Reprodução / The Green Hub
Mercado legal de maconha já vale R$ 121 bilhões no mundo. Foto: Reprodução / The Green Hub
  • Nova Iorque aprovou a legalização da maconha para uso recreativo

  • Corretoras lançam fundos de investimento para o mercado de cannabis

  • Mercado de cannabis pode movimentar R$ 4,6 bilhões no Brasil

Somente em 2020, o mercado legal mundial de cannabis atingiu a marca de US$ 21,3 bilhões (R$ 121,5 bilhões), um crescimento de 48% na comparação com 2019, quando alcançou US$ 14,4 bilhões, segundo dados da consultoria especializada BDSA.

Na última quarta-feira (31), o governo de Nova Iorque aprovou a legalização da maconha para uso recreativo no Estado. Essa aprovação chamou atenção para o crescente mercado legal que a maconha tem movimentado no mundo.

Leia também:

Depois da aprovação da cidade mais populosa dos Estados Unidos, reacenderam as perspectivas promissoras para a indústria no mercado financeiro. Ao todo, dos 50 estados norte-americanos, 16 já liberaram esse tipo de uso da cannabis, enquanto 36 aprovaram para uso medicinal.

Hoje existem dois países com a legalização regulamentada: o Uruguai, com 3 milhões de habitantes, e o Canadá, com 37 milhões. Ainda, o México, que tem 127 milhões de habitantes, está em processo de liberação para fins medicinais e recreativos.

No Brasil, no início de dezembro de 2019, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) regulamentou a fabricação de produtos à base de cannabis no país.

A regulamentação, porém, conta com diversas regras e determinações que devem ser seguidas tanto pelas empresas licenciadas para fabricar produtos à base de cannabis em território nacional quanto pelos médicos que irão prescrevê-los.

O uso recreativo no país de forma legal ainda está longe de ser uma realidade. Apesar disso, estima-se que no Brasil, em três anos, mercado de cannabis pode movimentar R$ 4,6 bilhões.

É possível investir nesse mercado?

Atualmente, há dois fundos negociados em bolsa (ETFs): Horizons Marijuana Life Sciences ETF (HMMJ) e Alternative Harvest ETF (MJX). Negociado na TSE (bolsa de valores de Tóquio), a HMMJ detém ações de mais de 25 empresas e cresceu 121% desde a sua criação em abril de 2017.

Corretoras brasileiras como a Vitreo tem dois fundos que investem em ações de empresas ligadas ao setor de cannabis no exterior, o Vitreo Canabidiol FIA e o Vitreo Canabidiol Light FICFIM.

Depois da Vitreo, a XP também lançou um fundo de investimento que replica ETF (fundo de índice negociado em bolsa) de cannabis no exterior. Pela corretora, é possível investir no Trend Cannabis FIM, que acompanha a variação do ETF MG Alternative Harvest, negociado na bolsa de valores de Nova Iorque, e tem aplicação mínima de R$ 500.