Mercado abrirá em 5 h 14 min
  • BOVESPA

    106.927,79
    +1.397,79 (+1,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.744,92
    -185,48 (-0,34%)
     
  • PETROLEO CRU

    84,41
    +0,59 (+0,70%)
     
  • OURO

    1.818,60
    +2,10 (+0,12%)
     
  • BTC-USD

    42.816,00
    -347,66 (-0,81%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.029,17
    +3,44 (+0,34%)
     
  • S&P500

    4.662,85
    +3,82 (+0,08%)
     
  • DOW JONES

    35.911,81
    -201,79 (-0,56%)
     
  • FTSE

    7.542,95
    -20,90 (-0,28%)
     
  • HANG SENG

    24.209,65
    -173,67 (-0,71%)
     
  • NIKKEI

    28.333,52
    +209,24 (+0,74%)
     
  • NASDAQ

    15.561,25
    -34,50 (-0,22%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3104
    -0,0070 (-0,11%)
     

'Música no seu Cérebro' é didático ao explicar obsessão por canções

·4 min de leitura

(FOLHAPRESS) - Ouvir música se tornou uma atividade tão banal e onipresente que é preciso esforço deliberado para perceber a complexidade cognitiva que existe por trás daquilo. Para quem deseja dar uma sacudida nessa familiaridade enganosa, o livro "A Música no seu Cérebro", do psicólogo e neurocientista americano Daniel Levitin, é um achado e tanto.

Apesar de breve, a obra funciona tanto como uma introdução bastante didática à teoria musical quanto como apresentação dos desafios de estudar o cérebro humano. Não é pouca coisa, mas o surpreendente histórico profissional do autor ajuda.

Levitin abandonou seu primeiro curso universitário para tocar numa banda e, depois que o grupo terminou, passou uma década atuando como produtor musical nos Estados Unidos, tendo a oportunidade de trabalhar com engenheiros de som que recebiam artistas como Santana e Whitney Houston em seus estúdios. A curiosidade que ele tinha sobre questões como os detalhes finos da percepção musical, a natureza do talento e as origens da criatividade fizeram com que ele voltasse à universidade e iniciasse sua carreira acadêmica.

Como o especialista aponta, nas últimas décadas emergiu uma desconexão curiosa entre o ato de ouvir música e o de produzi-la, ao menos na maior parte do mundo. Ficou tão fácil ter acesso a "conteúdo musical" (para usar a linguagem anódina das plataformas virtuais) que a imensa maioria das pessoas apenas consome música passivamente, sem nem sonhar em tocar um instrumento ou mesmo cantar (fora do chuveiro).

Não foi assim que a coisa funcionou ao longo da maior parte da história da nossa espécie, no entanto. Tudo indica que a nossa predileção instintiva por ritmos e melodias é pelo menos tão antiga quanto a origem do Homo sapiens e, quase sempre, era algo que acontecia em contextos comunais ou familiares. Quem ouvia música também quase sempre era capaz de fazer música -cantando, batendo os pés no chão, tocando instrumentos simples ou mesmo mais elaborados.

Com as mudanças nesse cenário, pessoas comuns passaram a se sentir cada vez menos à vontade na hora de entender como uma música funciona, e é essa barreira inicial que Levitin tenta vencer com seu curso rápido de teoria musical no começo do livro (o leitor pode ficar tranquilo: mesmo os que não sabem a diferença entre nota e acorde devem passar com tranquilidade).

Essa introdução já é o suficiente para mostrar qual o grande tema do livro: como a música funciona uma janela privilegiada para entender a capacidade de abstração do cérebro humano.

De fato, essa é a grande mágica. Um exemplo banal: como diabos conseguimos reconhecer sempre a indefectível melodia de "Für Elise" (a música de Beethoven que antigamente era tocada por todo santo caminhão do gás Brasil afora), seja quando é gerada por um pianista habilidoso num instrumento bem afinado ou pelos sintetizadores toscos de um celular antigo?

Entre um extremo e outro de competência musical, praticamente tudo muda, em especial o timbre (basicamente o lado qualitativo do som, que vem da maneira como ele é produzido -pelas cordas vocais de uma pessoa ou pelas cordas de um violão, por exemplo). Mesmo assim, o cérebro consegue captar a "essência" da melodia a partir do sistema de inter-relações entre as notas (grosso modo, a variação entre notas mais graves e mais agudas ao longo do tempo) e cravar: sim, isso é "Für Elise".

A música também abre portas importantes para a compreensão dos elos entre expectativas, memórias e emoções. É bem sabido que certas combinações de notas musicais são capazes de provocar reações emocionais distintas, e que isso ocorre de modo mais ou menos independente da cultura à qual o ouvinte pertence.

Ao que tudo indica, é o contexto emocional que faz certas músicas se tornarem tão fáceis de recordar, assim como acontece com outras memórias de tipo não musical. O porquê de fenômenos como esses terem se tornado tão importantes para todas as culturas humanas ainda é um mistério. Mas o livro é uma excelente maneira de chamar a atenção para a complexidade que se esconde por trás do mais simples dos refrãos.

*

A MÚSICA NO SEU CÉREBRO: A CIÊNCIA DE UMA OBSESSÃO HUMANA

Preço: R$ 69,90 (312 págs.); R$ 38,02 (ebook)

Autor: Daniel J. Levitin

Editora: Objetiva

Tradução: Clovis Marques

Avaliação: Muito bom

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos