Mercado abrirá em 2 h 46 min
  • BOVESPA

    110.334,83
    +299,66 (+0,27%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.784,58
    +191,67 (+0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    60,76
    +0,12 (+0,20%)
     
  • OURO

    1.723,40
    +0,40 (+0,02%)
     
  • BTC-USD

    49.082,86
    +1.765,30 (+3,73%)
     
  • CMC Crypto 200

    987,49
    +0,84 (+0,08%)
     
  • S&P500

    3.901,82
    +90,67 (+2,38%)
     
  • DOW JONES

    31.535,51
    +603,14 (+1,95%)
     
  • FTSE

    6.610,10
    +21,57 (+0,33%)
     
  • HANG SENG

    29.095,86
    -356,71 (-1,21%)
     
  • NIKKEI

    29.408,17
    -255,33 (-0,86%)
     
  • NASDAQ

    13.204,50
    -75,25 (-0,57%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7721
    -0,0235 (-0,35%)
     

Música negra invade filmes no streaming, de 'Soul' a 'AmarElo'

ISABELLA MENON
·4 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - “Os brancos não entendem o blues”, diz a atriz Viola Davis na pele de Ma Rainey, personagem de “A Voz Suprema do Blues”, filme da Netflix. A música negra parece ter tomado uma série de lançamentos recentes. A seguir, confira cinco opções de novas produções sobre o tema, da animação “Soul” ao documentário “AmarElo”, de Emicida. Veja também outras cinco sugestões mais antigas que falam sobre gêneros como black, jazz, funk e até axé —para rever e escutar. NOVIDADES AmarElo: É Tudo Pra Ontem Brasil, 2020. Direção: Fred Ouro Preto. 12 anos. Na Netflix O filme já arrepia nos primeiros segundos, quando Emicida entoa a letra da faixa-título do álbum “AmarElo” no Theatro Municipal de São Paulo. O filme mescla cenas do show, feito em 2019, à história da cultura negra brasileira. O Amor de Sylvie EUA, 2020. Direção: Eugene Ashe. Com: Tessa Thompson, Nnamdi Asomugha e Eva Longoria. 14 anos. Na Amazon Prime O romance acompanha um jovem casal na Nova York do fim dos anos 1950. Ela é filha do dono de uma loja de discos, enquanto ele é um saxofonista com a carreira em ascensão. Com protagonistas negros, o filme mescla à história do casal momentos dos movimentos pelos direitos civis. Uma Noite em Miami... EUA, 2020. Direção: Regina King. Com: Kingsley Ben-Adir, Eli Goree, Aldis Hodge e Leslie Odom Jr. 14 anos. Na Amazon Prime Cotado como provável indicado ao Oscar, o longa ficcionaliza uma conversa nos anos 1960 entre Malcom X, Muhammad Ali, Jim Brown e Sam Cooke —um dos fundadores do soul, é interpretado por Leslie Odom Jr. e canta músicas como “A Change is Gonna Come”. Soul EUA, 2021. Direção: Pete Docter e Kemp Powers. Com: Jamie Foxx, Tina Fey e Graham Norton (vozes). Livre. No Disney+ Embalado ao som de jazz, a animação também é uma aposta para o Oscar. O filme lança o primeiro protagonista negro de um desenho da Pixar, Joe, um professor de música que sonha em ser uma estrela. Mas ele morre bem no dia de sua grande estreia. A Voz Suprema do Blues EUA, 2020. Direção: George C. Wolfe. Com: Viola Davis, Chadwick Boseman e Glynn Turman. 14 anos. Na Netflix Adaptação da peça da Broadway do final dos anos 1980, o longa é protagonizado por Viola Davis e é o último filme de Chadwick Boseman, eternizado como o Pantera Negra. O filme se passa na Chicago de 1927 e acompanha a gravação de um disco de Ma Rainey, cantora reconhecida como a Mãe do Blues. PARA REVER Axé: Canto do Povo de Um Lugar Brasil, 2017. Direção: Chico Kertész. 12 anos. Na Netflix. Mais um toque de Brasil nesta lista, o documentário investiga as origens do axé e traz entrevistas com nomes importantes da música brasileira, como Caetano Veloso, integrantes dos Novos Baianos, Ivete Sangalo e Daniela Mercury. Embora não exista um consenso de como surgiu o ritmo, o filme revela as origens afro e os motivos para o axé ter deixado de fazer sucesso. Dreamgirls: Em Busca de Um Sonho EUA, 2006. Direção: Bill Condon. Com: Beyoncé, Jennifer Hudson e Eddie Murphy. 12 anos. Aluguel em Google Play (R$ 4,90) e Apple TV (R$ 11,90) O musical, que rendeu um Oscar de melhor atriz coadjuvante para Jennifer Hudson, é ambientado nos anos 1960 e se baseia na criação da Motown Records. A história acompanha um trio de cantoras negras de soul que têm um empresário manipulador e se tornam backing vocal de um cantor que tenta interferir na formação do grupo. Miles Davis, Início do Cool Estados Unidos, 2019. Direção: Stanley Nelson. Com: Miles Davis, Carl Lumbly. 14 anos. Disponível na Netflix Misturando imagens já consagradas de Davis com fotos raras, filmagens de acervos pessoais e entrevistas com celebridades —entre elas, Herbie Hancock, Wayne Shorter e Gil Evans—, o filme é uma espécie de biografia do ícone do jazz que personificou o cool, um estilo mais lento e melancólico do gênero. O roteiro revisita os álbuns do artista de forma cronológica, costurando sua carreira com sua vida pessoal. Ray EUA, 2004. Direção: Taylor Hackford. Com: Jamie Foxx, Regina King e Kerry Washington. 16 anos. Em Telecine Play e Now Jamie Foxx ganhou o Oscar de melhor ator por sua interpretação de Ray Charles na cinebiografia, que reconta a história do cantor, de quando perdeu a visão, aos sete anos de idade, até a sua ascensão na carreira, que o consagrou como um dos maiores nomes da música americana. What Happened, Miss Simone? EUA, 2015. Direção: Liz Garbus. Com: Nina Simone, Lisa Simone Kelly e Roger Nupie. 12 anos. Na Netflix O documentário reúne gravações inéditas e raras da cantora e ativista Nina Simone. Além de trazer registros da cantora dentro e fora do palco, a produção mostra como ocorreu a transformação da cantora e pianista em uma importante integrante do movimento negro pelos direitos civis nos Estados Unidos —tanto que o título vem de um artigo da poeta Maya Angelou.