Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.800,79
    -3.874,54 (-3,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.868,32
    -766,28 (-1,48%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,81
    +0,19 (+0,26%)
     
  • OURO

    1.812,50
    -18,70 (-1,02%)
     
  • BTC-USD

    41.418,86
    +2.311,54 (+5,91%)
     
  • CMC Crypto 200

    955,03
    +5,13 (+0,54%)
     
  • S&P500

    4.395,26
    -23,89 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    34.935,47
    -149,06 (-0,42%)
     
  • FTSE

    7.032,30
    -46,12 (-0,65%)
     
  • HANG SENG

    25.961,03
    -354,29 (-1,35%)
     
  • NIKKEI

    27.283,59
    -498,83 (-1,80%)
     
  • NASDAQ

    14.966,50
    -71,25 (-0,47%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1880
    +0,1475 (+2,44%)
     

Múmia de homem morto há 2.400 anos revela qual foi sua última refeição

·2 minuto de leitura

Há cerca de 2.400 anos, um homem morreu onde hoje é a península da Dinamarca, sendo batizado de Homem de Tollund. A descoberta do cadáver aconteceu no dia 6 de maio de 1950, e os pesquisadores acreditam que se tratou de um ritual de sacrifício, com a sua morte causada por enforcamento.

O seu corpo permaneceu preservado ao longo de todos os anos antes de ser encontrado, permitindo que os cientistas descobrissem alguns fatos interessantes. O mais recente é um tanto quanto curioso: foi possível descobrir qual foi a sua última refeição antes da morte.

<em>Imagem: Reprodução/N.H. Nielsen/Museum Silkeborg</em>
Imagem: Reprodução/N.H. Nielsen/Museum Silkeborg

De acordo com o estudo, a última refeição do Homem de Tollund aconteceu entre 12 a 24 horas antes da morte, e teria sido peixe e mingau, pratos comuns na Dinamarca naquela época, conhecida como Idade do Ferro. Ainda que fosse uma refeição nutritiva, o homem não estava saudável, segundo os pesquisadores, pois ele estava repleto de parasitas.

As análises do corpo também identificaram os ingredientes da sua última refeição: cevada, linho, sementes de persicária, entre outras espécies de plantas. Esses tipos de estudo ajudam os cientistas a trazer novas informações sobre o passado, trazendo detalhes sobre a aparência desses humanos, suas culturas, saúde, dieta, entre outros.

No caso do Homem de Tollund, foi possível identificar o que, exatamente, ele comia, como o alimento era preparado, e ainda estudar o seu sistema digestivo para procurar sinais de doenças. Os pesquisadores chegaram a reconstruir a receita da última refeição do homem, como mostra a imagem abaixo:

<em>Imagem: Reprodução/N.H. Nielsen/Museum Silkeborg</em>
Imagem: Reprodução/N.H. Nielsen/Museum Silkeborg

Foram detectadas cerca de 20 plantas, além do peixe. Eles não descobriram ainda, no entanto, se a proteína animal foi inserida no mingau ou se foi comida separadamente. Os cientistas descobriram ainda que o mingau teria sido cozido em uma panela de barro.

Em relação aos parasitas encontrados, foram identificados tênias, possivelmente por ingestão de carne crua, além de parasitas chamados de Trichuris trichiura e vermes como lombrigas e oxiúros, que são transmitidos por ovos em fezes humanas, o que pode indicar falta de higiene ou saneamento. As infecções encontradas também são indicativos de acesso limitado à água potável e convívio próximo de animais.

Você pode conferir o estudo completo no site da Universidade de Cambridge.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos