Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.439,37
    -2.354,91 (-2,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.307,71
    -884,62 (-1,69%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,96
    -0,65 (-0,90%)
     
  • OURO

    1.753,90
    -2,80 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    47.110,21
    -516,02 (-1,08%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.193,48
    -32,05 (-2,62%)
     
  • S&P500

    4.432,99
    -40,76 (-0,91%)
     
  • DOW JONES

    34.584,88
    -166,44 (-0,48%)
     
  • FTSE

    6.963,64
    -63,84 (-0,91%)
     
  • HANG SENG

    24.920,76
    +252,91 (+1,03%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,71 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.530,00
    +12,25 (+0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1994
    +0,0146 (+0,24%)
     

México registra recorde de novos casos de covid-19 em 24 horas

·2 minuto de leitura
Hector, um paciente com covid-19 de 26 anos, concede entrevista à AFP no hospital Polango Coacalco no estado do México, 6 de agosto de 2021

O México registrou nesta quarta-feira (18) o maior número de novos casos confirmados de covid-19 em 24 horas desde o início da pandemia, com 28.953 infecções, em meio a uma terceira onda incontrolável.

Com estes números, os casos acumulados alcançaram 3,152 milhões desde o começo da crise sanitária, que teve início no México no fim de 2020, segundo um boletim técnico da secretaria de Saúde.

O número de falecimentos, enquanto isso, foi de 940 em um dia, o mais alto desde 2 de março, quando foram contabilizados 1.035 óbitos, segundo contagem da AFP elaborado com base em dados oficiais.

Segundo a mesma contagem, o pico de óbitos registrados no México em 24 horas ocorreu em 22 de janeiro, com 1.803 falecimentos.

A cifra acumulada atingiu nesta quarta 250.469 mortos, o que situa o México - de 126 milhões de habitantes - como o quarto país mais enlutado do mundo em números absolutos, atrás dos Estados Unidos, Brasil e Índia.

A terceira onda, que atinge especialmente as pessoas de 18 a 39 anos por serem o grupo mais atrasado no processo de vacinação, levou o governo a declarar alerta máximo sanitário na capital mexicana desde a primeira semana de agosto, embora não tenham sido adotadas medidas restritivas.

A Cidade do México, de 9,2 milhões de habitantes, é o epicentro da pandemia no país, concentrando o maior número de casos e óbitos.

Apesar do repique, a ocupação nos hospitais se mantém longe do pico de janeiro, durante a segunda onda, quando superou 90% dos leitos, graças à vacinação. Atualmente, estão ocupados 38% dos leitos gerais e 40% dos equipados com respiradores, segundo dados da prefeitura.

No México, 55,3 milhões de pessoas tomaram pelo menos uma dose da vacina contra a covid, das quais 29,9 milhões estão com o esquema vacinal completo.

jla/gm/mvv

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos