Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.523,47
    -1.617,17 (-1,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.049,05
    +174,14 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,23
    -2,65 (-3,49%)
     
  • OURO

    1.865,90
    -50,40 (-2,63%)
     
  • BTC-USD

    23.411,30
    -232,28 (-0,98%)
     
  • CMC Crypto 200

    535,42
    -1,43 (-0,27%)
     
  • S&P500

    4.136,48
    -43,28 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    33.926,01
    -127,93 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.901,80
    +81,64 (+1,04%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.616,50
    -230,25 (-1,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5385
    +0,0488 (+0,89%)
     

México proíbe projetos de geoengenharia solar e impede teste de startup

A Secretaria de Meio Ambiente e Recurso Naturais do México (Semarnat) estabeleceu na última semana uma proibição de todos os experimentos de geoengenharia solar no território do país. A decisão foi tomada após a startup americana Make Sunsets realizar testes no estado de Baja California sem aviso prévio às autoridades e comunidade local.

Ainda que cientistas, ativistas e a mídia peçam urgência no combate às mudanças climáticas, a geoengenharia solar ainda é uma forma polêmica de assumir esse enfrentamento. Suas técnicas propõem o aumento da reflexão de luz solar de volta para o espaço, como forma a resfriar a Terra. Uma das formas de fazer isso é a liberação de partículas de dióxido de enxofre na atmosfera.

A startup Make Sunsets lançou no último ano dois balões com a substância que divide opiniões. Embora há quem acredite em seu potencial, existem sérias preocupações quanto às consequências dessa técnica — não se sabe como ela pode afetar os regimes de chuva, a agricultura e até mesmo a saúde pública.

A proibição de experimentos com de geoengenharia solar no México se deve às incertezas em relação aos seus efeitos colaterais (Imagem: NASA/Wikimedia Commons)
A proibição de experimentos com de geoengenharia solar no México se deve às incertezas em relação aos seus efeitos colaterais, como nos regimes de chuva (Imagem: NASA/Wikimedia Commons)

O CEO e fundador da startup, Luke Iseman, mostrou-se desapontado com a decisão. Em entrevista ao Wall Street Journal, ele diz que “esperava que houvesse diálogo.” Seu plano era vender créditos a empresas americanas como forma de compensação por suas emissões de carbono. Cada grama de dióxido de enxofre liberada foi avaliada em 10 dólares e quantidade — afirma o site da startup, sem citar referências — compensa uma tonelada de CO2 na atmosfera em um ano.

Em comunicado oficial, a Semarnat declara que a decisão se baseia em estudos que mostraram distúrbios meteorológicos associados à geoengenharia solar e em uma decisão da ONU de 2010. Embora ela não proíba, o órgão internacional desencoraja a implementação destas tecnologias. Na ocasião, o México foi um dos signatários da decisão, enquanto os Estados Unidos foram contrários a ela.

O enxofre na atmosfera é responsável pelo conhecido problema da chuva ácida (Imagem: Domínio público)
O enxofre na atmosfera é responsável pelo conhecido problema da chuva ácida, que prejudica corpos d'água e a vegetação (Imagem: Domínio público)

Em 2022, a Casa Branca declarou que possui um plano de avaliação da viabilidade da geoengenharia solar. Com duração de cinco anos, suas pesquisas pretendem investigar os benefícios e os efeitos colaterais, que cientistas concordam serem motivo de preocupação.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: