Mercado fechará em 3 h 17 min
  • BOVESPA

    109.717,69
    -414,84 (-0,38%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.048,98
    -151,61 (-0,36%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,08
    -0,63 (-1,38%)
     
  • OURO

    1.806,80
    +1,30 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    17.166,35
    -812,83 (-4,52%)
     
  • CMC Crypto 200

    335,42
    -35,10 (-9,47%)
     
  • S&P500

    3.629,65
    -5,76 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    29.872,47
    -173,77 (-0,58%)
     
  • FTSE

    6.360,09
    -31,00 (-0,49%)
     
  • HANG SENG

    26.819,45
    +149,70 (+0,56%)
     
  • NIKKEI

    26.537,31
    +240,45 (+0,91%)
     
  • NASDAQ

    12.187,50
    +35,25 (+0,29%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3357
    -0,0020 (-0,03%)
     

México decide fazer pausa em redução de linha de crédito do FMI

Eric Martin
·3 minuto de leitura

(Bloomberg) -- O México obteve aprovação do Fundo Monetário Internacional para manter sua linha de crédito flexível em US$ 63,4 bilhões em meio à pandemia, na contramão das reduções ocorridas nos últimos anos, segundo três pessoas a par das negociações.

O FMI aprovou o pedido na revisão intercalar da linha de crédito na quarta-feira, de acordo com as pessoas, que não quiseram ser identificadas. Na última renovação da linha há um ano, o FMI havia dito que o governo do presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, pretendia usar a revisão para cortar a linha em 20%, para US$ 50,7 bilhões, condicionada à redução dos riscos externos.

As linhas de crédito devem ser suspensas com o tempo, e o México ainda planeja tomar a medida quando os riscos diminuírem, de acordo com uma das pessoas. Em abril, López Obrador havia dito que não planejava acessar a linha porque isso implicaria em assumir mais dívidas. O presidente tem cortados gastos, e a linha - que vence em novembro de 2021 - custa ao México US$ 168 milhões por ano para ser mantida, mais juros, se for utilizada.

As assessorias de imprensa do FMI e da Secretaria da Fazenda do México não quiseram comentar de imediato.

Proteção

A linha de crédito flexível, conhecida como LCF, é uma forma de empréstimo pré-aprovada e não impõe condições de como o dinheiro deve ser gasto. O FMI usou a LCF na última década para criar uma rede de proteção sob algumas das maiores economias da América Latina, a região mais duramente atingida pela pandemia neste ano.

O FMI disponibiliza LCFs para países com histórico de política econômica prudente, mas que também são vulneráveis a choques externos. Neste ano, Chile e Peru se uniram ao México e à Colômbia ao ganhar acesso.

O México foi o primeiro país a obter a linha de crédito quando foi criada em 2009 durante a crise financeira global e tem reduzido voluntariamente seu acesso nos últimos anos. A linha foi reduzida de US$ 88 bilhões em 2016 para US$ 74 bilhões em 2018 depois que a negociação de um novo acordo de livre comércio aliviou as preocupações sobre a relação com os EUA. A linha foi cortada novamente para US$ 61 bilhões no ano passado.

Depois de aprovada, o valor da linha oscila ligeiramente em dólares, porque é definida em direitos especiais de saque.

Durante anos, os destinatários não recorreram às LCFs e as trataram como financiamento de reserva, por temerem que o uso dos fundos assustasse investidores. Mas, nos últimos dois meses, a Colômbia anunciou planos para começar a sacar US$ 5,3 bilhões de sua linha para combater a pandemia em meio à pior recessão da história do país.

As revisões intercalares das LCFs, como a concluída para o México nesta semana, ocorrem pouco antes do primeiro aniversário da aprovação para linhas de crédito de dois anos.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.