Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.289,18
    +1.085,18 (+0,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.037,05
    -67,35 (-0,13%)
     
  • PETROLEO CRU

    87,26
    -0,09 (-0,10%)
     
  • OURO

    1.817,90
    -11,80 (-0,64%)
     
  • BTC-USD

    37.042,54
    +183,98 (+0,50%)
     
  • CMC Crypto 200

    846,41
    -9,40 (-1,10%)
     
  • S&P500

    4.349,93
    -6,52 (-0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.168,09
    -129,61 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.469,78
    +98,32 (+1,33%)
     
  • HANG SENG

    24.289,90
    +46,30 (+0,19%)
     
  • NIKKEI

    27.058,24
    +46,91 (+0,17%)
     
  • NASDAQ

    14.199,75
    +41,25 (+0,29%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1054
    -0,0010 (-0,02%)
     

México busca acalmar preocupações sobre venda do varejo do Citi

·2 min de leitura

(Bloomberg) -- O plano do Citigroup de sair das operações de varejo no México levou o governo a entrar em modo de controle de danos para aliviar as preocupações em um país marcado pela crise financeira na década de 1990.

Most Read from Bloomberg

O ministro das Finanças, Rogelio Ramírez de la O, procurou conter qualquer leitura negativa sobre a economia a partir da potencial venda da unidade, e disse que o governo tentaria limitar o fechamento de agências.

“Queremos enviar uma mensagem aos correntistas, aos poupadores, de que eles podem ter certeza de que não haverá perda de ativos”, disse Ramirez à Bloomberg News.

O Banamex, ou Banco Nacional do México, era o segundo banco do país quando foi comprado pelo Citi em 2001, em meio a uma onda de aquisições por investidores estrangeiros de bancos locais que haviam sido devastados pela crise conhecida como “Efeito Tequila”, de 1994 a 1995.

Muitos mexicanos se lembram da onda de falências bancárias que atingiu o país durante a crise. Alguns foram ao Twitter para comentar a saída do Citi e se perguntaram sobre o futuro de suas poupanças e pensões.

O chefe da associação bancária do país, a ABM, apareceu em um programa de rádio para descartar qualquer impacto potencial sobre os clientes do Citibanamex, independentemente de quem assumir o controle.

“Não há motivo para preocupação”, disse Daniel Becker Feldman, presidente da ABM, ao apresentador de rádio Joaquin-Lopez Doriga, e transmitiu uma mensagem semelhante a outros meios de comunicação locais.

Terceiro maior

O Citibanamex viu sua participação de mercado cair para 12,9% dos depósitos, de 22% em 2001, e agora é o terceiro maior banco de depósitos do país, mostram dados da CNBV.

No rescaldo da crise, o setor bancário do México tornou-se altamente concentrado nas mãos de bancos de propriedade estrangeira, como os espanhóis Banco Bilbao Vizcaya Argentaria e Banco Santander, além do HSBC Holdings e o Bank of Nova Scotia.

Ramirez, ministro das Finanças, disse que o governo procurará garantir que qualquer venda não infrinja as regras antitruste do setor. Ele disse que a decisão do banco de sair do varejo mexicano não está relacionada à economia do país, como alguns meios de comunicação locais sugeriram, apontando para o fato de que o Citi continuará investindo no México, incluindo a construção de uma nova torre para sua sede corporativa.

Most Read from Bloomberg Businessweek

©2022 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos