Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.923,93
    +998,33 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,18 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,34
    -0,88 (-1,08%)
     
  • OURO

    1.797,30
    -3,80 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    16.963,42
    -8,48 (-0,05%)
     
  • CMC Crypto 200

    404,33
    +2,91 (+0,72%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,87 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,09 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.777,90
    -448,18 (-1,59%)
     
  • NASDAQ

    11.979,00
    -83,75 (-0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4940
    +0,0286 (+0,52%)
     

Méliuz tem perda de R$ 3 bi com criptomoedas

BRASÍLIA, DF, E SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A Méliuz, empresa especializada em cashback e com ações negociadas na B3, registrou uma queda de quase R$ 3 bilhões no volume de transações processadas pelo Bankly, sua principal aposta de negócio –voltada para a realização de transações com criptomoedas.

A queda levou a Méliuz a avaliar a separação do Bankly do grupo. Hoje, os resultados financeiros da empresa são computador no balanço do grupo.

O Bankly é uma fintech adquirida pela Méliuz há um ano e meio por R$ 324 milhões. Especializado em soluções de pagamento, seu principal contrato envolvia a prestação de serviços desse gênero para a gigante global das criptomoedas Binance.

No entanto, em junho, divergências comerciais levaram a Binance a romper o contrato com uma empresa que, para atendê-la, usava os serviços do Bankly.

O resultado desse revés apareceu no balanço da Méliuz. Segundo a empresa, o Volume Total de Pagamento (TVP, na sigla em inglês) caiu de R$ 8,3 bilhões no primeiro trimestre, para R$ 5,4 bilhões no fechamento de setembro –35% de queda em seis meses.

Procurada, a Méliuz não respondeu até a publicação desta nota.