Mercado fechará em 5 h 31 min
  • BOVESPA

    98.333,09
    -1.288,48 (-1,29%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.331,10
    -730,51 (-1,52%)
     
  • PETROLEO CRU

    106,97
    -2,81 (-2,56%)
     
  • OURO

    1.816,10
    -1,40 (-0,08%)
     
  • BTC-USD

    18.942,44
    -1.126,66 (-5,61%)
     
  • CMC Crypto 200

    405,39
    -26,07 (-6,04%)
     
  • S&P500

    3.747,11
    -71,72 (-1,88%)
     
  • DOW JONES

    30.522,08
    -507,23 (-1,63%)
     
  • FTSE

    7.122,37
    -189,95 (-2,60%)
     
  • HANG SENG

    21.859,79
    -137,10 (-0,62%)
     
  • NIKKEI

    26.393,04
    -411,56 (-1,54%)
     
  • NASDAQ

    11.391,75
    -299,25 (-2,56%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4670
    +0,0564 (+1,04%)
     

Médicos usam pele de tilápia para fazer reconstrução vaginal em pacientes raras

A pele de tilápia tem sido utilizada por pesquisadores como uma solução para determinados casos de lesão ou queimadura na pele, e com o passar do tempo, passou a ser vista como uma aliada da ginecologia, principalmente no que diz respeito a síndromes raras, como a Mayer-Rokitansky-Kuster-Hauser (SMRKH), que traz a atrofia parcial ou completa da vagina.

A pele de tilápia também é usada na cirurgia para construção de um canal vaginal em pessoas transsexuais, na Colômbia. Ao todo, já foram realizados 50 procedimentos no país. No Brasil, cabe à Universidade Federal do Ceará (UFC) a forte presença da utilização desse recurso, mas o governo ainda não autorizou a realização dos procedimentos de redesignação sexual em pacientes transgênero.

No caso da síndrome de Mayer-Rokitansky-Kuster-Hauser (SMRKH), duas pacientes — Maria Jucilene Moreira e Tainá Fogaça de Souza — deram uma entrevista recente ao G1, relatando que o procedimento cirúrgico não deixa nenhuma cicatriz ou corte, e ainda permite uma vida sexual ativa, sem dor ou qualquer outro incômodo.

A cirurgia foi idealizada em 2017 pelo médico Leonardo Bezerra, professor de ginecologia da UFC. Anteriormente, o procedimento era feito com pele humana, mais precisamente com uma parte da pele da virilha da própria paciente.

O médico explica que o procedimento cirúrgico consiste na criação de um espaço artificialmente pela cirurgia através de incisões entre o reto e a vagina, e a pele de tilápia vem para dar um suporte para esse espaço, para ele não fechar. Normalmente, usa-se pele humana ou próteses de celulose oxidada, mas o custo é alto. O especialista reitera que a pele de tilápia não evoluiu com rejeição, nem com infecção.

Síndrome de Mayer-Rokitansky-Kuster-Hauser (SMRKH)

Pacientes com rara síndrome precisam de reconstrução vaginal e normalmente não têm útero (Imagem: Light Field Studios/Envato Elements)
Pacientes com rara síndrome precisam de reconstrução vaginal e normalmente não têm útero (Imagem: Light Field Studios/Envato Elements)

Também chamada de síndrome de Rokitansky com agenesia congênita do canal vaginal, a rara síndrome geralmente se manifesta na puberdade, com a ausência da primeira menstruação. Na prática, a paciente não tem o canal vaginal, então não é possível ter atividade sexual.

Segundo um artigo publicado na Revista Médica de Minas Gerais, a síndrome de Mayer-Rokitansky-Kuster-Hauser (SMRKH), os genitais externos e o hímen são normais, mas as malformações uterinas acontecem na sexta semana do desenvolvimento embrionário. A sua incidência é de cerca de 1 a cada 5 mil mulheres.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos