Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.976,70
    -2.854,45 (-2,55%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.668,64
    -310,37 (-0,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,28
    -1,66 (-2,13%)
     
  • OURO

    1.754,00
    +8,40 (+0,48%)
     
  • BTC-USD

    16.486,64
    -169,71 (-1,02%)
     
  • CMC Crypto 200

    386,97
    +4,32 (+1,13%)
     
  • S&P500

    4.026,12
    -1,14 (-0,03%)
     
  • DOW JONES

    34.347,03
    +152,97 (+0,45%)
     
  • FTSE

    7.486,67
    +20,07 (+0,27%)
     
  • HANG SENG

    17.573,58
    -87,32 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    28.283,03
    -100,06 (-0,35%)
     
  • NASDAQ

    11.782,80
    -80,00 (-0,67%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,6244
    +0,0991 (+1,79%)
     

Médicos tratam bebê com doença genética enquanto ele ainda está no útero

Em artigo publicado na revista científica New England Journal of Medicine, uma equipe relatou o caso de uma criança chamada Ayla, que ainda no útero recebeu um tratamento para doença de Pompe (DP), uma condição genética causada pela deficiência da enzima alfa-glicosidase ácida.

Ayla, agora com 16 meses, é o foco de um estudo de caso que relata a segurança e eficácia da terapia de reposição enzimática (TRE) para o tratamento da doença de Pompe, que foi realizada em um feto pela primeira vez quando a garota ainda estava na barriga da mãe.

Anteriormente, a condição tirou a vida de dois de seus irmãos, mas após a terapia realizada no útero e em um tratamento pós-natal, Ayla parece estar se desenvolvendo normalmente.

A doença de Pompe é hereditária. Ela afeta principalmente o coração e os músculos esqueléticos. Os bebês nascidos com a patologia tendem a ter corações maiores e a maioria morre de complicações cardíacas ou respiratórias antes de um ano se não receberem tratamento.

Bebês nascidos com a doença tendem a ter corações maiores (Imagem: Alexandru Acea/Unsplash)
Bebês nascidos com a doença tendem a ter corações maiores (Imagem: Alexandru Acea/Unsplash)

Normalmente, a terapia de reposição enzimática é administrada a recém-nascidos por infusão intravenosa. Embora possa ajudar a diminuir o tamanho do coração, melhorar a função muscular e reduzir o acúmulo de glicogênio, o tratamento não pode corrigir nenhum dano orgânico que já tenha ocorrido e muitas vezes desencadeia uma resposta imune.

Na prática, os bebês costumam correr risco de vida ou má formação do tônus ​​​​muscular. Ao fornecer o tratamento antes do nascimento, os médicos esperam evitar esses resultados a longo prazo e aumentar as chances de uma recuperação.

Após o sucesso inicial com Ayla, os pesquisadores esperam fazer novos testes no futuro, o que julgam como um passo importante na evolução da terapia fetal, desde a cirurgia para condições anatômicas até terapias médicas para condições genéticas.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: