Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.211,50
    +1.332,97 (+1,19%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    43.796,38
    +121,55 (+0,28%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,67
    +0,39 (+0,86%)
     
  • OURO

    1.843,20
    +13,00 (+0,71%)
     
  • BTC-USD

    19.345,64
    +396,74 (+2,09%)
     
  • CMC Crypto 200

    380,21
    +5,81 (+1,55%)
     
  • S&P500

    3.672,65
    +3,64 (+0,10%)
     
  • DOW JONES

    30.039,00
    +155,21 (+0,52%)
     
  • FTSE

    6.490,27
    +26,88 (+0,42%)
     
  • HANG SENG

    26.728,50
    +195,92 (+0,74%)
     
  • NIKKEI

    26.809,37
    +8,39 (+0,03%)
     
  • NASDAQ

    12.480,75
    +26,50 (+0,21%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2395
    -0,0803 (-1,27%)
     

Média de gols sofridos dispara no São Paulo e Diniz tenta encontrar solução

LANCE!
·2 minuto de leitura


O São Paulo tem um problema a ser resolvido para a sequência de jogos na temporada: o aumento considerável dos gols sofridos. Nas últimas cinco partidas do Tricolor, a equipe foi vazada em nove oportunidades. Contra o Lanús, foram três tentos do adversário nos 45 minutos finais da partida e o técnico Fernando Diniz está preocupado.

Em 2020, a média de gols sofridos do São Paulo é de 1,3 por jogo - número considerado altíssimo para uma equipe que disputa a elite do futebol nacional. Em 37 partidas incluindo Campeonato Brasileiro, Campeonato Paulista, Copa do Brasil e Copa Sul-Americana, a equipe do Morumbi foi vazada em 46 oportunidades pelos seus adversários.

- Não estamos contentes com o resultado da partida, principalmente com os três gols tomados. A gente tem evoluído, mas precisamos melhorar o sistema defensivo, no que diz tomar gols. Temos que parar de tomar gols - esbravejou o técnico do São Paulo após a derrota, por 3 a 2, para o Lanús.

Recentemente, a comissão técnica mexeu na formação do sistema defensivo justamente por entender que o time estava muito exposto. O lateral Léo, antes improvisado como zagueiro, voltou para o banco de reservas e deu espaço para Bruno Alves. O mesmo aconteceu com o meio de campo, com Tchê Tchê dando vaga para Luan na proteção da zaga. Sem Igor Vinícius e Juanfran, lesionados, o São Paulo tem atuado com Tchê Tchê improvisado como lateral.

As alterações surtiram efeito em alguns poucos jogos, mas logo a equipe voltou a oscilar defensivamente e a ceder espaços. No duelo contra o Fortaleza pela Copa do Brasil, por exemplo, foram cinco gols sofridos em apenas duas partidas. Na última quarta, na estreia da Copa Sul-Americana, o Lanús não teve dificuldades para anotar três gols apenas no segundo tempo.

Na sequência, o São Paulo tem pela frente o Flamengo, no Maracanã, pelo Campeonato Brasileiro. O Rubro-negro tem o melhor ataque do torneio, com 32 gols anotados em 18 partidas. Depois, o Tricolor encara o Lanús, no Morumbi, valendo vaga nas oitavas de final da Copa Sul-Americana. O gol fora é critério de desempate na competição da Conmebol.