Mercado abrirá em 3 h 59 min
  • BOVESPA

    115.202,23
    +2.512,23 (+2,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.342,54
    +338,34 (+0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,64
    +0,55 (+0,83%)
     
  • OURO

    1.691,20
    -7,30 (-0,43%)
     
  • BTC-USD

    49.893,41
    -31,06 (-0,06%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.007,35
    +64,18 (+6,80%)
     
  • S&P500

    3.841,94
    +73,47 (+1,95%)
     
  • DOW JONES

    31.496,30
    +572,20 (+1,85%)
     
  • FTSE

    6.656,46
    +25,94 (+0,39%)
     
  • HANG SENG

    28.540,83
    -557,46 (-1,92%)
     
  • NIKKEI

    28.743,25
    -121,07 (-0,42%)
     
  • NASDAQ

    12.428,00
    -235,75 (-1,86%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7748
    -0,0032 (-0,05%)
     

Mãe acusada de matar a filha de 1 ano e 10 meses é encontrada morta em presídio de SP

Extra
·1 minuto de leitura

Acusada de matar a filha Ísis Helena, de 1 ano e 10 meses, Jennifer Natalia Pedro foi encontrada morta dentro da sua cela, na Penitenciária Santa maria Eufrásia Pelletier, conhecida como P1 de Tremembé (SP), nesta segunda-feira, dia 22. A mulher estava detida desde o fim de abril de 2020, quando assumiu que assassinou e ocultou o cadáver da bebê em Mogi Guaçu, no interior de SP.

Jennifer foi encontrada pelos agentes do presídio com um lençol em volta do pescoço. Segundo o site "G1", ela estava sozinha na cela e a suspeita é que ela tenha cometido suicídio. Procurada pelo EXTRA, a Secretária de Administração Penitenciária de SP (SAP-SP) ainda não deu informações sobre o caso.

A acusada estava na P1 de Tremembé desde abril de 2020, mesmo local onde se encontram Suzane von Richthofen, acusada de mandar matar os pais Manfred e Marisia von Richthofen, em 2002, e Elize Matsunaga, que assassinou o marido, o presidente da empresa Yoki, Marcos Kitano Matsunaga, em 2012. Jennifer foi indiciada por homicídio doloso, quando há intenção de matar, e por ocultação de cadáver. O caso gerou uma comoção nacional após a pequena Isís desaparecer no dia 2 de março de 2020.

Antes da menina morrer, a mãe havia sido denunciada ao Conselho Tutelar por maus-tratos contra a criança, em Itapira (SP). Após negar o crime e entrar em contradição, a mulher acabou assumindo a culpa. Após matar a filha, a mulher colocou o corpo da menina em uma mochila e jogou em um rio.