Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.232,74
    +1.308,56 (+1,22%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.563,98
    +984,08 (+1,98%)
     
  • PETROLEO CRU

    114,09
    -0,11 (-0,10%)
     
  • OURO

    1.824,60
    +10,60 (+0,58%)
     
  • BTC-USD

    30.088,96
    -938,21 (-3,02%)
     
  • CMC Crypto 200

    674,06
    +431,38 (+177,76%)
     
  • S&P500

    4.008,01
    -15,88 (-0,39%)
     
  • DOW JONES

    32.223,42
    +26,76 (+0,08%)
     
  • FTSE

    7.464,80
    +46,65 (+0,63%)
     
  • HANG SENG

    19.950,21
    +51,44 (+0,26%)
     
  • NIKKEI

    26.568,81
    +21,76 (+0,08%)
     
  • NASDAQ

    12.291,75
    +47,00 (+0,38%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2659
    -0,0146 (-0,28%)
     

Márcio de Lima Leite assume presidência da Anfavea

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O advogado Márcio de Lima Leite é o novo presidente da Anfavea (associação das montadoras). A cerimônia de posse aconteceu na manhã desta segunda (2), em São Paulo. Um novo evento ocorrerá nests terça (3), em Brasília.

A ideia é marcar presença junto ao centro do poder, em um movimento de aproximação com os poderes executivo e legislativo. A entidade se afirma apartidária.

Leite é diretor jurídico e de relações institucionais do grupo Stellantis na América do Sul. O advogado está na empresa desde junho de 2000, quando entrou para a Fiat. Eram outros tempos, antes mesmo da fusão da marca italiana com a Chrysler, que foi consolidada no início de 2014.

O advogado substitui Luiz Carlos Moraes, que é o diretor de diretor de comunicação corporativa e relações institucionais da Mercedes-Benz do Brasil.

Moraes disse esperar que o novo presidente encontre tempos menos difíceis pela frente.

O ex-presidente assumiu a Anfavea em 2019, quando o setor automotivo passava por um período de retomada. Contudo, a pandemia de Covid-19 e os consequentes problemas de fornecimento e demanda travaram novamente a indústria.

Em seu discurso de posse, Leite afirmou que os produtos feitos no Brasil podem competir em qualquer mercado. "Nós conseguimos produzir o estado da arte desde a extração do minério de ferro", disse o novo presidente.

Um ponto que está sendo discutido com o governo é a mudança de perfil da cadeia produtiva --para se tornar um polo exportador, será necessário produzir tecnologias voltadas à eletrificação.

O executivo preferiu falar de improviso, não trouxe um discurso fechado. Ele buscou enaltecer a indústria nacional. Segundo Leite, o setor automotivo nacional envolve 98 mil fornecedores nos segmentos de veículos leves, ônibus, caminhões, implementos rodoviários e maquinário agrícola.

O novo presidente contou brevemente a história de sua família, marcada pela perda do pai, em 1976. O executivo tinha então cinco anos e morava em Betim (MG), onde a fábrica da Fiat acabara de ser construída.

Ele disse que foi a indústria que possibilitou a melhora de vida de sua família.

Sua história pessoal, entremeada por momentos de humor e causos relacionados ao clube Atlético Mineiro, serviu de base para falar da importância da retomada industrial do país. Esse tom mais informal --e até emocional-- deve marcar a nova gestão da Anfavea.

"Eu tinha um discurso de umas 18 páginas, mas optei pela informalidade", disse Leite.

"Representamos 20% do PIB industrial, mas não somos matemática. Por trás há universidades, educação."

O discurso original de Leite falava sobre temas como uso do etanol como estratégia de descarbonização e capacidade produtiva da indústria automotiva, hoje estimada em 4 milhões de unidades. Pelos números do primeiro quadrimestre, as fábricas operam com cerca de 50% de seu potencial.

Foram comercializadas 147.256 unidades no último mês, alta de 0,3% em relação a março, que teve dois dias úteis a mais. Os dados são baseados no Renavam (Registro Nacional de Veículos Automotores).

Em relação a abril de 2021, houve queda de 15,9% na comercialização de veículos. O primeiro quadrimestre encerrou com 552.924 unidades licenciadas, o que significa retração de 21,4% na comparação com o mesmo período do ano passado.

Leite afirmou que o grande desafio é fazer com que a cadeia de fornecedores e os investimentos acompanhem as rotas tecnológicas globais, o que possibilitaria exportar não apenas para a América do Sul.

Isso já ocorre, por exemplo, com o setor de maquinário agrícola. A fala do novo presidente foi influenciada pela visita à Agrishow, feira realizada em Ribeirão Preto (interior de São Paulo) na última semana.

O novo presidente da Anfavea disse ainda acreditar em uma reforma tributária, tema que predominante nas conversas da entidade com o governo.

"Temos conversado bastante com o governo, precisamos acelerar a reforma tributária para que o Brasil se torne competitivo", disse o novo presidente. "A redução da carga tributária é louvável, e o que o governo tem apresentado que haverá o fim do IPI [Imposto sobre Produtos Industrializados]."

Um dos planos da gestão de Leite é a criação de um programa de renovação de frota para veículos leves, o que movimentaria as fábricas. Trata-se de sonho antigo da Anfavea, alimentado desde os anos 1990.

Contudo, além das dificuldades de implementação de um programa desse porte, há agora o aumento nos preços dos carros somado à alta das taxas de financiamento.

"Precisamos tornar o automóvel acessível às classes mais baixas. É impensável termos uma taxa de juros de 27% ao ano aos que tomam crédito", afirmou Leite. "Mas na medida que as coisas voltem à normalidade, o mercado deve crescer."

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos