Mercado abrirá em 32 mins
  • BOVESPA

    98.657,65
    +348,53 (+0,35%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    37.655,45
    -221,04 (-0,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    40,98
    +0,15 (+0,37%)
     
  • OURO

    1.907,90
    -3,80 (-0,20%)
     
  • BTC-USD

    11.880,78
    +823,77 (+7,45%)
     
  • CMC Crypto 200

    240,32
    +6,65 (+2,84%)
     
  • S&P500

    3.426,92
    -56,89 (-1,63%)
     
  • DOW JONES

    28.195,42
    -410,89 (-1,44%)
     
  • FTSE

    5.904,18
    +19,53 (+0,33%)
     
  • HANG SENG

    24.569,54
    +27,28 (+0,11%)
     
  • NIKKEI

    23.567,04
    -104,09 (-0,44%)
     
  • NASDAQ

    11.730,75
    +80,50 (+0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6043
    +0,0054 (+0,08%)
     

Márcio França lança candidatura com ironias a Doria e defesa de diálogo com Bolsonaro

Dimitrius Dantas
·3 minutos de leitura

SÃO PAULO - O Partido Socialista Brasileiro confirmou nesta sexta-feira a candidatura do ex-governador de São Paulo, Márcio França, para a Prefeitura. Em um discurso marcado por ataques ao atual governador, João Doria (PSDB), França também procurou reafirmar uma posição de independência em relação a Jair Bolsonaro, mas reforçou diferenças ideológicas com o presidente. Segundo ele, a eleição na capital paulista pode servir de exemplo para o país de que posições antagônicas podem conviver. Em agosto, o encontro de França e Bolsonaro em uma visita do presidente ao litoral irritou aliados do ex-governador.

O maior alvo de críticas, entretanto, foi o atual governador, João Doria. Internamente, a chapa considera que assumir a posição de anti-Doria é um dos caminhos para chegar ao segundo turno. Com isso, espera não apenas atrair os votos de eleitores mais à esquerda como também de bolsonaristas, em razão da crescente tensão entre o presidente e o tucano.

Nesta quinta-feira, França acertou o apoio do Solidariedade, que desistiu de apoiar Bruno Covas. O PDT e o Avante também deverão apoiar o candidato. Neste sábado, Antonio Neto, do PDT, será anunciado como o vice.

Atual prefeito, Bruno Covas foi apresentado por Márcio França como uma espécie de marionete do governador João Doria. No discurso realizado na Câmara Municipal, França lembrou que Covas é amigo de seu filho, Caio, mas insinuou que Doria comanda as ações de Covas na prefeitura.

-- Comigo, não vai fazer. Claro, ele é o governador de São Paulo. Se eu ganhar aqui, vamos falar com ele, de prefeito para governador. Porque o prefeito não é menos que governador, governador não é menos que presidente, prefeito não é menos que o presidente. O Bolsonaro é o presidente? Nós vamos falar com o Bolsonaro. Mas cada um no seu quadrado. Aqui em São Paulo, nenhum dos dois mandam. Quem manda é o povo de São Paulo, que está acostumado a liderar, a conduzir -- afirmou França.

França também insinuou que o PSDB usará outros candidatos para contrapor a sua candidatura. Uma delas, segundo ele, é a deputada federal Joice Hasselmann (PSL).

-- É claro que eles não vão eles próprios falarem. Vão botar umas línguas de aluguel, aqueles bonecos de ventríloquo. Vão ajudar alguns candidatos e eles vão fazer o papel de ficar brigando com a gente -- afirmou.

O socialista lembrou que Hasselmann foi obrigada pela Justiça a retirar uma publicação de suas redes sociais contra França.

-- Ela resolveu, do nada, me xingar. Do nada não foi, né? É claro, ela está sob orientação espiritual de alguma coisa passando ali perto do Morumbi -- disse em referência ao bairro onde fica o Palácio dos Bandeirantes, sede do governo estadual.

O socialista adotou um tom de forte apelo social, prometendo resolver questões antigas da cidade, como a Cracolândia, assim como impasses recentes, como a da Cinemateca, que está fechada em razão das dificuldades do governo federal em administrar o órgão. França prometeu que, se for eleito, irá tomar posse na Cinemateca às 00h01 do dia 1 de janeiro.

Segundo o candidato, os efeitos do novo coronavírus na economia ainda não chegaram. O ex-governador destacou que a situação do comércio e das famílias poderá piorar a partir de 2021, quando acabar o auxílio emergencial distribuído pelo governo federal.

-- Precisamos de maneira emergencial para essas quase 3 milhões de pessoas que estão vivendo com R$ 600 em São Paulo. O que será dessa gente em janeiro? Qual foi o plano que eles pensaram para depois de janeiro? Qual o plano para as crianças que estão um ano sem estudar? Para 125 mil pessoas esperando uma consulta de traumatologia -- afirmou França.

França também se apresentou como um candidato capaz de mostrar a capacidade de convivência entre forças políticas antagônicas.

-- Se nós tivermos a chance de poder fazer esse movimento em São Paulo, certamente a gente ajuda a mudar o Brasil. O fato de eu ser de um jeito e outro do outro não quer dizer que você é inimigo e você me respeita por isso e eu te respeito por isso -- afirmou.