Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.061,99
    -871,79 (-0,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.642,40
    +113,43 (+0,23%)
     
  • PETROLEO CRU

    62,00
    -0,67 (-1,07%)
     
  • OURO

    1.792,50
    +14,10 (+0,79%)
     
  • BTC-USD

    56.096,71
    -21,85 (-0,04%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.290,59
    +27,63 (+2,19%)
     
  • S&P500

    4.153,86
    +18,92 (+0,46%)
     
  • DOW JONES

    33.965,65
    +144,35 (+0,43%)
     
  • FTSE

    6.908,36
    +48,49 (+0,71%)
     
  • HANG SENG

    28.621,92
    -513,81 (-1,76%)
     
  • NIKKEI

    28.508,55
    -591,83 (-2,03%)
     
  • NASDAQ

    13.841,25
    +47,00 (+0,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7018
    -0,0007 (-0,01%)
     

Máquina de Anticítera: solucionando o mistério do "primeiro computador" do mundo

Wyllian Torres
·3 minuto de leitura

Há mais de um século, a Máquina de Anticítera, uma espécie de calculadora astronômica, vem intrigando pesquisadores desde sua descoberta no fundo do mar grego. O objeto, com idade estimada em mais de dois mil anos, era, ao que tudo indica, movido a mão e capaz de mostrar os movimentos dos 5 planetas visíveis a olho nu, as fases da Lua e os eclipses solar e lunar.

Em artigo recentemente publicado na revista Nature, pesquisadores afirmam que houve um considerável avanço nos estudos da Máquina de Anticítera — ou menos uma parte das incógnitas. A equipe da University College London (UCL) começou a reconstruir uma réplica com peças modernas para, então, avaliar se suas suposições estão corretas. Uma vez construída, planejam fazer o mesmo com outras ferramentas da antiguidade.

Cerca de dois terços do objeto estão em falta, o que torna todo o processo de reconstrução ainda mais desafiador. O cientista de materiais da UCL, Adam Wojcik, diz: “acreditamos que nossa reconstrução se encaixa em todas as evidências que os cientistas coletaram dos restos mortais até hoje”. Por vezes, o mecanismo é descrito como o primeiro computador analógico do mundo. Foi encontrado por mergulhadores em 1901, entre uma coleção de outros objetos valiosos que estavam em um navio naufragado na ilha grega de Anticítera — possivelmente o navio naufragou ao passar entre Creta e Peloponeso, a caminho de Roma, no século I a.C.

Modelo computacional de como o mecanismo teria funcionado (Imagem: Reprodução/UCL)
Modelo computacional de como o mecanismo teria funcionado (Imagem: Reprodução/UCL)

O objeto apresenta um mecanismo bem complexo, considerado por muitos pesquisadores uma “obra-prima” da engenharia mecânica. Mas, entender como todas as peças se encaixam, diante dos seus 82 fragmentos separados, é muito difícil. Segundo Michael Wright, ex curador de engenharia mecânica do Museu de Ciências de Londres, é algo como “resolver um quebra-cabeça 3D danificado que tem a maioria de suas peças faltando”.

No artigo, a equipe revela que baseou seus estudos nas inscrições do próprio mecanismo e um método matemático descrito pelo filósofo grego Parmênides. Dessa maneira, elaboraram novas engrenagens para o movimento dos planetas e outros corpos da maneira correta. “Como o dispositivo presumia que o sol e os planetas giravam em torno da Terra, seus caminhos eram muito mais difíceis de reproduzir com engrenagens do que se o sol fosse colocado no centro”, aponta.

Estima- se que o objeto tenha sido contruído no ano 80 a.C. (Imagem: Reprodução/Museu Arqueológico Nacional de Atenas)
Estima- se que o objeto tenha sido contruído no ano 80 a.C. (Imagem: Reprodução/Museu Arqueológico Nacional de Atenas)

Ainda não se sabe ao certo qual era a finalidade do mecanismo, se seria apenas uma engenhoca curiosa, se serviria como ferramenta de ensino ou alguma outra função realmente prática — resposta que mesmo o modelo reproduzido pela equipe, dando certo ou não, ainda não consegue dar. Wojcik questiona: “se eles tinham a tecnologia para fazer a Máquina de Anticítera, por que não estenderam essa tecnologia para criar outras máquinas, como relógios?”.

O artigo com maiores detalhes sobre a reprodução da Máquina de Anticítera e a pesquisa pode ser acesso na Nature.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: