Mercado fechado

LVMH quer recuperar brilho da Tiffany com aquisição de US$16,2 bi

Por Sarah White
.

Por Sarah White

PARIS (Reuters) - A LVMH , proprietária da Louis Vuitton, concordou em comprar a Tiffany por 16,2 bilhões de dólares em sua maior aquisição, mas a fabricante francesa de artigos de luxo aposta que pode restaurar o brilho da joalheria norte-americana.    

O acordo em dinheiro de 135 dólares por ação impulsionará o menor negócio da LVMH, a divisão de joias e relógios que já abriga Bulgari e Tag Heuer, e ajudará a expandir em uma das seções de mais rápido crescimento da indústria.    

Marcas de moda e acessórios, incluindo Christian Dior, geram a maior parte dos ganhos na LVMH, administrada pelo homem mais rico da França, Bernard Arnault, embora o crescimento em joias tenha se destacado nos últimos anos.    

"A aquisição da Tiffany fortalecerá a posição da LVMH em joalheria e aumentará ainda mais sua presença nos Estados Unidos", disseram LVMH e Tiffany em comunicado conjunto.    As ações da LVMH avançava cerca de 1,8% na segunda-feira e as ações listadas na Tiffany em Frankfurt subiram 6,6%.    

O presidente-executivo da Tiffany, Alessandro Bogliolo, disse que a transação "fornecerá mais suporte, recursos e impulso".    

As empresas disseram que esperavam fechar o negócio em meados de 2020. A Tiffany disse no comunicado que seu conselho de administração recomendou que os acionistas aprovassem a transação com a LVMH.    

O preço de 135 dólares representa um prêmio de 7,5% sobre o nível de fechamento da Tiffany na sexta-feira e é mais de 50% maior do que o preço das ações antes que o interesse da LVMH fosse conhecido.    

Fundada em Nova York em 1837 e conhecida por sua embalagem azul no mesmo tom dos ovos das aves robin, a Tiffany é um dos nomes mais conhecidos na indústria de joias e apareceu no filme "Breakfast at Tiffany's" (traduzido para 'Bonequinha de Luxo' no Brasil), estrelado por Audrey Hepburn.    

O namoro oficial da LVMH com a Tiffany durou cerca de cinco semanas depois de sua primeira abordagem com uma oferta de 120 dólares em meados de outubro, mas a empresa estava de olho na famosa marca há anos, disseram fontes familiarizadas com a situação.    

A marca, que tem mais de 300 lojas em todo o mundo e realizou quase metade de suas vendas em casa no ano passado, vem lutando para conquistar compradores mais jovens nos últimos anos e competir com rivais de menor preço, como Pandora <PNDORA. CO>, da Dinamarca, e Signet Jewellers.    

Agora, também precisa enfrentar uma guerra comercial entre Washington e Pequim e mudar os padrões de gastos, à medida que os compradores chineses se retiram dos EUA e gastam mais em casa.    

"O valor da marca Tiffany e a força da imagem de sua icônica Blue Box de 1837 são mais valiosos do que os dados financeiros atuais sugerem", disse o analista da Jefferies, Flavio Cereda, em nota publicada pouco antes da confirmação do acordo.    

"A LVMH pode aproveitar isso para lançar um 'ataque' mais concentrado no mercado milenar asiático."    

Os consumidores chineses de 20 e 30 anos estão ajudando a impulsionar o crescimento na indústria de bens de luxo.    

O crescimento em joias superou o de outras empresas, como a moda em 2018, segundo a consultoria Bain & Co, que prevê vendas comparáveis ​​no mercado global de joias de 20 bilhões de dólares, que devem crescer 7% este ano.    

A aquisição posiciona a LVMH, o maior conglomerado de luxo do mundo, diretamente no território ocupado por seu rival Richemont, proprietário da Cartier.

(Reportagem de Sarah White e Sudip Kar-Gupta)