Mercado fechará em 37 mins
  • BOVESPA

    110.749,12
    -160,49 (-0,14%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.679,74
    +505,68 (+1,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,24
    +2,04 (+2,61%)
     
  • OURO

    1.765,30
    +1,60 (+0,09%)
     
  • BTC-USD

    16.786,05
    +403,03 (+2,46%)
     
  • CMC Crypto 200

    398,53
    -2,17 (-0,54%)
     
  • S&P500

    3.950,29
    -7,34 (-0,19%)
     
  • DOW JONES

    33.695,84
    -156,69 (-0,46%)
     
  • FTSE

    7.573,05
    +61,05 (+0,81%)
     
  • HANG SENG

    18.597,23
    +392,55 (+2,16%)
     
  • NIKKEI

    27.968,99
    -58,85 (-0,21%)
     
  • NASDAQ

    11.559,00
    +34,25 (+0,30%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4003
    -0,0563 (-1,03%)
     

Luzes misteriosas brilham no céu da Suécia e intrigam observadores

No início de novembro, uma luz azulada misteriosa brilhou sobre o céu de Abisko, um pequeno vilarejo na província da Lapônia, Suécia. O fenômeno curioso foi observado por alguns fotógrafos que estavam na região e que, inicialmente, pensaram se tratar de uma aurora boreal diferente; contudo, conforme o tempo passou, logo ficou claro que era outro fenômeno.

O mais intrigante é que, mesmo com o passar do tempo, a luz azul observada por eles se manteve estática no céu — ao contrário do que acontece com as auroras, que parecem “dançar” enquanto brilham. Chad Blakley, diretor da Lights over Lapland, empresa que realiza passeios para a observação de auroras, afirmou que a equipe de fotógrafos da companhia registra o céu noturno há mais de uma década, mas que o evento foi diferente de qualquer outra coisa já vista por eles.

Veja uma das imagens do ocorrido:

Luzes azuis brilhando na Lapônia (Imagem: Reprodução/Claudio Comi)
Luzes azuis brilhando na Lapônia (Imagem: Reprodução/Claudio Comi)

As auroras boreais são causadas pelas partículas eletricamente carregadas vindas do Sol, que encontram a atmosfera superior da Terra e são direcionadas aos polos com a ajuda do campo magnético do nosso planeta. Blakley percebeu que o que eles viram não era uma aurora comum, e buscou especialistas para tentar entender o que foi observado.

Tony Phillips, astrônomo profissional, entrou em contato com outros estudiosos da área e, junto deles, concluiu que o brilho azulado parece ter sido causado por um teste de míssil balístico intercontinental submarino, conduzido pela Rússia. A análise dele coincide com testes de mísseis do país, disparados pelo submarino Generalissimus Suvorov no mesmo dia dos relatos das luzes.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: