Mercado fechará em 2 h 15 min
  • BOVESPA

    111.378,55
    -2.434,32 (-2,14%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.495,81
    -233,99 (-0,48%)
     
  • PETROLEO CRU

    90,94
    +0,44 (+0,49%)
     
  • OURO

    1.763,30
    -7,90 (-0,45%)
     
  • BTC-USD

    21.456,96
    -1.940,54 (-8,29%)
     
  • CMC Crypto 200

    510,39
    -31,21 (-5,76%)
     
  • S&P500

    4.231,04
    -52,70 (-1,23%)
     
  • DOW JONES

    33.753,24
    -245,80 (-0,72%)
     
  • FTSE

    7.550,37
    +8,52 (+0,11%)
     
  • HANG SENG

    19.773,03
    +9,12 (+0,05%)
     
  • NIKKEI

    28.930,33
    -11,77 (-0,04%)
     
  • NASDAQ

    13.245,25
    -278,00 (-2,06%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2079
    -0,0059 (-0,11%)
     

Luzes de cidades podem "dedurar" civilizações alienígenas

Um novo estudo sugere que os cientistas que estiverem em busca de sinais de possíveis civilizações extraterrestres deveriam procurar por luzes urbanas em exoplanetas. Normalmente, a procura por tecnoassinaturas (manifestações de tecnologia que podem ser identificadas por meios astronômicos) é focada em sinais de rádio, com comprimentos de onda mais longos — mas os autores sugerem que a luz visível (com comprimento de onda menor) também tem potencial para ser uma tecnoassinatura.

Os autores sintetizam as recomendações do workshop 2020 TechnoClimes, um evento realizado online para desenvolver uma agenda de pesquisa para priorizar e direcionar estudos futuros sobre as tecnoassinaturas. "Este artigo traz uma análise de alto nível do uso de missões atuais e futuras para detectar tecnoassinaturas planetárias em comprimentos de onda do ultravioleta, luz visível ou infravermelha", explicaram.

Os autores sugerem que a luz de cidades em exoplanetas seria uma possível tecnoassinatura (Imagem: Reprodução/NASA)
Os autores sugerem que a luz de cidades em exoplanetas seria uma possível tecnoassinatura (Imagem: Reprodução/NASA)

No estudo, os autores destacam que as buscas por tecnoassinaturas podem ser incluídas nas justificativas da maior parte das missões científicas sem custos adicionais, e recomendam que a comunidade astronômica pense com cuidado na possibilidade de detectá-las. Segundo eles, as ferramentas para isso podem até estar disponíveis, mas a procura vai exigir um esforço conjunto da comunidade científica.

Eles destacam que a ideia de procurar tecnoassinaturas já foi considerada por astrônomos por décadas, mas que as tentativas iniciais priorizaram a possibilidade de detectar possíveis transmissões de rádio extraterrestres. Os autores sugerem que civilizações avançadas em mundos na órbita de outras estrelas possam ter construído cidades em seus planetas. Estes planetas urbanizados teriam lados noturnos mais brilhantes em função das luzes das cidades, o que facilitaria a detecção deles.

Por fim, os autores observam que sinais eletromagnéticos (sejam de ondas de rádio, sejam de luz visível) não são as únicas tecnoassinaturas possíveis: os cientistas poderiam procurar também tecnoassinaturas na atmosfera de planetas, como o dióxido de nitrogênio. Este é um gás encontrado na Terra, vindo de processos biológicos e artificiais. Portanto, a detecção destes compostos pode indicar uma civilização industrial, por exemplo.

O artigo com os resultados do estudo foi publicado na revista Acta Astronautica.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos