Mercado fechado
  • BOVESPA

    102.224,26
    -3.586,99 (-3,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.492,52
    -1.132,48 (-2,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,15
    -10,24 (-13,06%)
     
  • OURO

    1.788,10
    +1,20 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    54.940,74
    +499,98 (+0,92%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.365,60
    -89,82 (-6,17%)
     
  • S&P500

    4.594,62
    -106,84 (-2,27%)
     
  • DOW JONES

    34.899,34
    -905,04 (-2,53%)
     
  • FTSE

    7.044,03
    -266,34 (-3,64%)
     
  • HANG SENG

    24.080,52
    -659,64 (-2,67%)
     
  • NIKKEI

    28.751,62
    -747,66 (-2,53%)
     
  • NASDAQ

    16.051,00
    -315,00 (-1,92%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3485
    +0,1103 (+1,77%)
     

Luz no fim do túnel? OMS vê cautelosamente o fim da pandemia se aproximar

·2 min de leitura

A pandemia de covid-19 já está próxima de completar seu segundo ano, e em meio à vacinação em massa, os especialistas enxergam com um otimismo calculista o "início do fim" dessa situação. Com isso em mente, atualmente a ideia é mapear quando e onde a covid-19 fará a transição para uma doença endêmica em 2022.

Os cientistas esperam que os primeiros países a emergir da pandemia terão alguma combinação de altas taxas de vacinação e imunidade natural entre as pessoas infectadas com a doença, como Estados Unidos, Reino Unido, Portugal e Índia. No entanto, as estimativas ainda são bem cautelosas, considerando principalmente que se trata de um vírus imprevisível.

De acordo com Maria Van Kerkhove, epidemiologista que lidera a Organização Mundial da Saúde (OMS), deve-se obter controle sobre o vírus até o final de 2022, reduzindo significativamente as formas graves da doença e as mortes. Até o final de 2022, a OMS pretende que 70% da população mundial seja vacinada, o que pode levar a um cenário muito diferente, epidemiologicamente falando.

Segundo a OMS, os casos e mortes de covid-19 vêm diminuindo desde agosto em quase todas as regiões do mundo. Mas a preocupação é justamente que os países reduzam as medidas preventivas (como o uso de máscara, distanciamento, etc.) sob uma impressão equivocada de que a pandemia já terminou.

(Imagem: Freepik/tawatchai07)
(Imagem: Freepik/tawatchai07)

Mesmo onde os casos aumentam à medida que os países diminuem as restrições à pandemia, como no Reino Unido, as vacinas parecem estar mantendo as pessoas fora do hospital. Ainda assim, a variante Delta continua sendo uma verdadeira preocupação aos especialistas.

Ainda se espera que a covid-19 continue a ser um grande contribuinte para doenças e mortes nos próximos anos, assim como outras doenças endêmicas como a malária. Alguns especialistas dizem que o vírus acabará por se comportar mais como o sarampo, que ainda causa surtos em populações onde a cobertura vacinal é baixa.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos