Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.909,61
    +2.127,46 (+1,96%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.174,06
    -907,27 (-1,78%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,70
    +0,50 (+0,64%)
     
  • OURO

    1.762,60
    -1,10 (-0,06%)
     
  • BTC-USD

    16.447,83
    +230,52 (+1,42%)
     
  • CMC Crypto 200

    389,69
    +0,96 (+0,25%)
     
  • S&P500

    3.957,63
    -6,31 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    33.852,53
    +3,07 (+0,01%)
     
  • FTSE

    7.512,00
    +37,98 (+0,51%)
     
  • HANG SENG

    18.204,68
    +906,74 (+5,24%)
     
  • NIKKEI

    28.027,84
    -134,99 (-0,48%)
     
  • NASDAQ

    11.502,00
    -22,75 (-0,20%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4525
    -0,0967 (-1,74%)
     

Luta contra inflação pode levar a contração econômica, diz Barkin, do Fed

Presidente do Fed de Richmond, Thomas Barkin, durante conferência em Dallas, EUA

Por Howard Schneider

WASHINGTON (Reuters) - A luta do Federal Reserve para reduzir a inflação "pode ​​levar a uma contração", conforme os aumentos da taxa de juros do banco central são "desafiados" por poupanças ainda altas do consumidor, um mercado de trabalho ainda apertado e problemas contínuos de oferta, disse o presidente do Fed de Richmond, Thomas Barkin, nesta quarta-feira.

O pior do aumento da inflação pode de fato ter passado, disse ele.

"Minha hipótese pessoal é que estamos no final... não no início", disse ele. "Os preços das commodities parecem estar esfriando, as cadeias de suprimentos parecem estar se aliviando, o excesso de gastos está sendo esgotado e o Fed está aumentando os juros e fazendo o que precisamos fazer a respeito."

Mas ainda não está claro o quão "maleável" e rápida na queda se mostrará a inflação ou o quanto as taxas de juros do Fed precisarão subir, avaliou Barkin. "Essa é uma pergunta que estamos tentando desvendar."

Enquanto isso, mesmo que algumas partes da economia estejam funcionando com mais normalidade, outras permanecem alteradas pela pandemia de maneira que dificulta a luta contra a inflação do Fed.

"Nossas ferramentas para acalmar a demanda e retornar a inflação à nossa meta de 2% operam com defasagem e foram desafiadas pelos elementos artificiais do ambiente de hoje", disse Barkin em comentários preparados para a Top of Virginia Regional Chamber em Winchester, Virgínia.

"Como resultado, alinhar oferta e demanda pode exigir ainda mais de nós, criando risco para a economia em geral", disse Barkin. "Voltar ao normal pode levar a uma contração."

É um risco que o banco central terá de correr, disse ele, já que seria um resultado ainda pior se as expectativas de inflação começassem a aumentar.